Tamanho do texto

Segundo o IBGE,  indústria de transformação registrou queda de 2,6% entre janeiro e março;  resultado foi influenciado, principalmente, pela redução da produção da indústria automotiva

Coube à indústria, em desaceleração desde o segundo semestre de 2010, puxar o crescimento da economia brasileira no primeiro trimestre do ano.

Com expansão de 1,7% no período, a indústria superou serviços (1,6%) e inverteu os papéis com a agropecuária, que vinha liderando o crescimento do PIB e registrou desaceleração de 7,3% entre janeiro e março de 2012.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2011, a agropecuária recuou 8,5%.

Economia brasileira cresce 0,2% no 1º trimestre de 2012

Produção industrial cai 0,2% em abril ante março, aponta IBGE

Resultado fraco do PIB no 1º trimestre coloca Brasil atrás de seis países


Mesmo enfraquecido, setor industrial garantiu resultado positivo do Produto Interno Bruto no 1º trimestre
- Divulgação
Mesmo enfraquecido, setor industrial garantiu resultado positivo do Produto Interno Bruto no 1º trimestre

Segundo a gerente de contas trimestrais do IBGE, Rebeca Palis, a queda pode ser atribuída, em grande parte, a questões climáticas.

A estiagem nas regiões sul e nordeste afetou as plantações de soja, arroz e milho. “Diante desse cenário, a estimativa é que haja uma queda na produção da soja, que tem um peso próximo de 20% na composição da agropecuária”, afirmou Rebeca.

Brasil perde recursos para Chile, Peru e Colômbia, diz diretor da BlackRock

Desaceleração econômica estoura 'bolha' de entusiasmo com o Brasil no exterior

Segundo o IBGE, a indústria de transformação registrou queda de 2,6% no primeiro trimestre. Esse resultado foi influenciado, principalmente, pela redução da produção da indústria automotiva, de máquinas e equipamentos, metalurgia, borracha e plástico, máquinas, aparelhos e materiais elétricos e artigos do vestuário e calçados.

Ainda de acordo com o instituto, houve crescimento da produção de eletrodomésticos das linhas branca e marrom, outros equipamentos de transporte, químicos, celulose e papel, perfumaria, cimento e minerais não metálicos.

Nas demais atividades houve crescimento como nos setores de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana, com alta de 3,6%, construção civil, com avanço de 3,3%, e no segmento de  extração mineral, com desempenho positivo de 2,2%.

(Colaborou Ilton Caldeira, iG São Paulo)

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.