Tamanho do texto

Depois de cinco anos em recessão econômica e sofrendo com as medidas de austeridade impostas pelo governo, gregos desaparecem dos sex shops

Três em cada quatro sex shops de Atenas tiveram que fechar as portas
Getty Images
Três em cada quatro sex shops de Atenas tiveram que fechar as portas

A crise econômica que assola a Grécia fez mais uma vítima. Agora é a indústria do sexo que enfrenta um abalo sem precedentes. No quinto ano consecutivo de recessão, não sobrou muita opção para o cidadão grego:  foi preciso cortar do orçamento os brinquedos eróticos.

Leia também:  Companhia aérea oferece oportunidade de fazer sexo nas alturas

Três em cada quatro sex-shops de Atenas tiveram que fechar as portas nos últimos anos por conta da crise econômica. Hoje, existem na cidade um pouco mais do que 100 lojas especializadas em sexo.

Conheça: Dono do maior sex shop do Brasil trabalha com conteúdo adulto desde os 15

Os problemas enfrentados pela indústria são um eco daqueles que assolam o conjunto da economia. As medidas de austeridade que o país adotou agravaram o desemprego, enquanto os cortes salariais e o aumento de impostos estrangularam os gastos dos consumidores.

Os efeitos da crise no mercado erótico podem ser sentidos com mais intensidade na Erotic Dream, maior feira de produtos sexuais da Grécia. Seus corredores estavam sombrios na última sexta-feira. Alguns visitantes desistiram de entrar porque não queriam pagar os 15 euros cobrados na entrada.  

Enquanto isso, no Brasil:  Mercado de sex shop cresce e atrai marinheiros de primeira viagem

Além disso, o número de expositores caiu pela metade desde 2008, agora são apenas 12. A feira, que costumava ter 30 mil visitantes por edição, está vazia. No dia de abertura, apenas 50 pessoas faziam fila para entrar no evento.

Leia também: Para muitos na Grécia, austeridade é uma escolha falsa

“Estamos fazendo somente 20 euros por dia”, disse Marianna Lemnarou, uma das expositoras e varejistas do setor. “Alguns clientes simplesmente não sentem vontade de fazer sexo, outros não podem se dar ao luxo de comprar nossas coisas com a crise”.

Leia ainda:  "São Pedro" é dono do sex shop mais antigo do Brasil

Segundo George Chrysospathis, organizador da Erotic Dream, o setor consiste em pequenas empresas familiares que dependem inteiramente de fornecedores estrangeiros e enfrentam uma feroz concorrência internacional. "Os chineses e os turcos estão nos matando", diz.

O setor ainda teme o retorno à moeda dracma. Quase todos os brinquedos sexuais vendidos na Grécia são importados de países como a Alemanha e a Polônia e desvalorizar o dracma tornaria esses artigos inacessíveis. “Um vibrador que custa 20 euros valeria o equivalente a 50 euros”, afirma Donatos Passaris, um dos expositores da feira.

*Com Reuters.