Tamanho do texto

O comissário europeu de Comércio, Karel De Gucht, afirma que a YPF é um investimento muito importante da UE na Argentina

A União Europeia (UE) expressou nesta sexta-feira sua preocupação em relação à expropriação da companhia petrolífera YPF, da espanhola Repsol, e anunciou que deixará aberta todas as opções possíveis para discutir o tema em nível mundial e bilateral. A postura foi anunciada em cara enviada pelo comissário europeu de Comércio, Karel De Gucht, dirigida ao ministro das Relações Exteriores da Argentina, Héctor Timerman, e foi distribuída no final de uma reunião ministerial de Comércio do G20 realizada em Purto Vallarta, no México.

Leia também: FMI defende que expropriação de ações da Repsol é "assunto bilateral"

Na carta, De Gucht demonstrou "séria preocupação" pelo clima na Argentina e particularmente por "decisões recentes do governo" da presidente Cristina Kirchner, que "ameaçam as relações comerciais globais e de investimento". O comissário cita o caso da YPF, "um investimento muito importante da UE" na Argentina, e diz que a expropriação "enviou um sinal muito negativo para todos os investidores internacionais". "A expropriação da YPF se soma a uma crescente lista de decisões problemáticas adotadas pela Argentina recentemente na área de comércio e investimentos". De Gucht mencionou o número crescente de restrições às importações adotadas por Buenos Aires, o que têm "um efeito significativamente adverso para as exportações da UE para a Argentina".

O comissário disse a Timerman que as medidas são incompatíveis com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). A carta diz ainda que a Argentina deve respeitar seus compromissos internacionais e o tratado bilateral de investimentos entre Espanha e Argentina. Segundo o comissário, a Argentina não apresentou uma justificativa válida para a nacionalização. As ações argentinas, sustentou De Gucht, contradizem "as promessas feitas no contexto do G20 para reduzir as medidas protecionistas".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.