Tamanho do texto

Para Nicolás Eyzaguirre, diretor do FMI para a América Latina, a desapropriação é "decisão de um país soberano"

O diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a América Latina, Nicolás Eyzaguirre, disse nesta sexta-feira que a expropriação de 51% das ações da Repsol na YPF pelo governo argentino é um "assunto bilateral" e aconselhou um ambiente de acordo. "Queremos que a nacionalização se dê em um ambiente de acordo entre as duas partes", declarou Eyzaguirre em entrevista coletiva durante as reuniões em Washington do FMI e do Banco Mundial (BM).

Leia também: Menem apoiará a expropriação da YPF

O diretor considerou o anúncio da desapropriação da YPF, efetuado na última segunda-feira pelo governo argentino, como um "assunto bilateral" e "decisão de um país soberano". No entanto, Eyzaguirre não quis avaliar a decisão governamental ao afirmar que o BM é uma organização multilateral. Na terça-feira, o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, havia dito que a desapropriação de 51% das ações da espanhola Repsol na YPF é "prejudicial para o ambiente de investimentos" na Argentina.

Leia também: Espanha anuncia novas medidas para biodiesel em resposta à Argentina

Enquanto isso, o presidente em fim de mandato do Banco Mundial, Robert Zoellick, declarou na véspera, em entrevista coletiva de abertura da reunião, que a nacionalização é um "erro" e que as políticas "populistas" devem ser evitadas em momentos de crise econômica. Na última quinta-feira, o ministro das Finanças argentino, Hernán Lorenzino, retirou as perguntas dos jornalistas sobre a desapropriação em um evento realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo BM.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.