Tamanho do texto

Após prometer forte represálias à decisão de Cristina Kirchner, governo da Espanha convoca embaixador argentino em Madri

A petrolífera espanhola Repsol-YPF informou nesta terça-feira que pedirá mais de US$ 9 bilhões à Argentina pela expropriação de 51% de sua unidade YPF, em meio às crescentes críticas internacionais contra Buenos Aires que abriu uma crise política com a Espanha.

Leia também : Expropriação da YPF tenta esconder crise, diz Repsol

O governo argentino interveio na segunda-feira na YPF, a maior petroleira do país que representa metade da produção Repsol-YPF, e enviou ao Congresso projeto para assumir 51% da companhia, depois de mantê-la sob pressão e culpá-la pela queda na oferta de petróleo no país.

"Nós vamos pedir (uma avaliação de) US$ 18 bilhões", disse o presidente da petrolífera, Antonio Brufau, em conferência de imprensa de mais de duas horas.

A Repsol, que tem uns 57,43% da YPF, qualificou a decisão argentina de ilícita.

A capitalização de mercado da YPF é atualmente de cerca de US$ 10,4 bilhões, depois que as ações da empresa caíram um terço de seu valor em 2012, com as constantes pressões argentinas para incremento dos investimentos e o temor de uma expropriação.

A Argentina não informou quanto pagará pela YPF e, de acordo com as leis locais, o governo deverá negociar com a Repsol-YPF o preço da indenização. Se não houver consenso, o caso pode ser decidido em tribunal com base em valores de um organismo oficial.

Brufau disse que sua estimativa não inclui a gigantesca reserva Vaca Muerta de hidrocarbonetos não-convencionais descobertos pela petroleira argentina, que é estratégicA para a Repsol-YPF, uma vez que poderia incrementar exponencialmente suas reservas com este depósito.

TIRO NO PÉ

O ministro de Assuntos Exteriores da Espanha, José Manuel García Margallo, disse que o tema será discutido sexta-feira em encontro do conselho de ministros e insistiu que a decisão terá peso negativo sobre a decisão de investimento estrangeiro no país.

"A Argentina deu um tiro no pé com esta decisão. A Argentina pode ter cortado o acesso do financiamento com esta decisão", declarou Margallo a jornalistas.

O governo espanhol convocou nesta terça-feira o embaixador argentino, Carlos Bettini.

VACA MUERTA

Brufau insinou que as autoridades argentinas mudaram de atitude depois de conhecerem o vasto potencial de Vaca Morta, que pode ser uma das maiores reservas de hidrocarbonetos não-convencionais do mundo, e não por falta de investimento como argumentou a presidente argentina.

"O descobrimento que fez a Repsol-YPF em Vaca Morta não é desencadeador de tudo isso, não é o desencadeador da expropriação?", questionou Brufau.

A Repsol anunciou no início de fevereiro que a reserva poderia ter 22,807 bilhões de barris de óleo equivalente e que sua exploração dobraria a produção de hidrocarbonetos argentina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.