Tamanho do texto

A nacionalização da YPF violou as regras de proteção e investimento com a Espanha, mas Joaquín Almunia afirma que as negociações entre UE e Mercosul não serão afetadas

O comissário europeu de Concorrência, Joaquín Almunia, que está no Brasil, disse que a nacionalização da YPF pelo governo argentino violou as regras de proteção de investimentos com a Espanha, mas que este fato não irá prejudicar as negociações da União Europeia (UE) com o Mercosul. O comissário europeu participa no Rio de Janeiro da 11ª Conferência Internacional sobre Concorrência.

Leia também: Expropriação da YPF tenta esconder crise, diz Repsol
Repsol acusa Argentina de manipular YPF para expropriá-la a preço de saldo
UE diz que expropriação da YPF é ilegal e suspende reunião com Argentina

Em entrevista coletiva, Almunia acrescentou que a UE "observa com grande preocupação" a expropriação da companhia petrolífera e "deve reagir" para garantir a segurança jurídica das empresas europeias. "Esperamos obter o mais rápido possível uma resposta positiva. Argentina quebrou as regras estabelecidas no acordo bilateral de proteção de investimentos com a Espanha", afirmou.

O interesse da UE na negociação com o Mercosul, integrado pela Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, é "muito alto", prosseguiu Almunia, por isso o bloco comunitário fará "todo o possível para encontrar soluções". "O Mercosul é muito mais do que a Argentina. (A nacionalização) não tem por que prejudicar outros países do Mercosul nem as relações do Mercosul com a UE", argumentou o comissário europeu.

Para Almunia, o único prejudicado é o povo argentino e sua economia. Almunia acrescentou que espera que "nos próximos meses" comece a discussão das condições de acesso aos respectivos mercados, o que considerou como "o momento decisivo" da negociação. O anúncio da presidente argentina, Cristina Kirchner, de nacionalizar 51% das ações da YPF motivou duras críticas do governo espanhol, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e das autoridades da União Europeia.