Tamanho do texto

Para ganhar a simpatia da população, importadores adotaram o discurso de defesa do consumidor e do controle da inflação

selo

Tradicionalmente avessos à exposição pública, os importadores reforçaram seu lobby para reagir às medidas protecionistas da presidente Dilma Rousseff. Criaram ou revigoraram entidades de classe, contrataram consultorias renomadas e recorreram até a ex-funcionários do governo Lula.

Defender a importação é uma missão ingrata no Brasil. O argumento da indústria nacional em prol do emprego tem apelo, especialmente na equipe econômica. Para ganhar a simpatia da população, os importadores adotaram o discurso de defesa do consumidor e controle da inflação.

“A importação sempre foi o patinho feio. Parece que importar é pecado”, diz Alfredo de Goye, presidente da Sertrading. As maiores tradings do País (Cotia, Cisa, Comexport e Sertrading) estão incomodadas com o aumento de licenças não automáticas, tarifas antidumping e outras barreiras à importação.

Essas empresas também demonstram receio com a disposição do governo de acabar com a “guerra dos portos” (benefícios estaduais para produtos importados). O argumento das tradings é que os incentivos promovem o desenvolvimento regional ao descentralizar os desembarques de mercadorias.

Para influenciar nesse debate, as tradings revigoraram a Associação Brasileira das Empresas Comerciais Exportadoras (Abece), com a contratação de Ivan Ramalho, ex-secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento no governo Lula. Encomendaram um estudo para a Rosemberg & Associados e se reuniram informalmente com o ex-ministro Delfim Netto.

“No governo Dilma, indiscutivelmente, houve um crescimento das medidas protecionistas”, disse Ramalho. Ele critica a falta de disposição do governo em conversar com os importadores. “O Ministério da Fazenda está convencido de que há uma invasão de importações.” As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.