Tamanho do texto

Madri, 1 jul (EFE).- O presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, evitou hoje valorar o veto do Executivo português à venda de 30% da Portugal Telecom (PT) na brasileira Vivo a Telefónica e disse que espera que esse assunto seja resolvido nos "termos do entendimento e diálogo".

Madri, 1 jul (EFE).- O presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, evitou hoje valorar o veto do Executivo português à venda de 30% da Portugal Telecom (PT) na brasileira Vivo a Telefónica e disse que espera que esse assunto seja resolvido nos "termos do entendimento e diálogo". Em declarações aos meios de comunicação depois de se reunir com o ex-primeiro-ministro do Reino Unido e enviado especial do Quarteto para o Oriente Médio, Tony Blair, Zapatero ressaltou sua esperança de que a operação entre a PT e a Telefónica seja solucione pela via do diálogo. O Executivo português vetou nesta quarta-feira a venda a Telefónica de 30% da Vivo pertencentes a Portugal Telecom, apesar da venda ter sido aprovada pelos acionistas da PT, graças a uma "ação de ouro" rejeitada pelas autoridades da União Europeia. O primeiro-ministro português, o socialista José Sócrates, afirmou hoje que "o Governo fez o que devia para defender os interesses de Portugal e da Portugal Telecom". A decisão do Executivo português foi divulgada durante a assembleia de acionistas da PT realizada ontem para decidir a venda das ações da Vivo, líder da telefonia celular no Brasil, pelos 7,150 bilhões de euros oferecidos pela Telefónica. O presidente da assembleia geral da PT, Antonio Menezes Cordeiro, aceitou o veto da ação estatal, o que deixou sem efeito os demais sufrágios emitidos na reunião. A Telefónica ampliou nesta quarta-feira para o dia 16 de julho o prazo para que a PT aceite sua oferta. EFE eco/pb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.