Tamanho do texto

Por Ryan Vlastelica NOVA YORK (Reuters) - As bolsas de valores norte-americanas fecharam com valorização nesta segunda-feira, dando sequência ao movimento da última semana, uma vez que a aprovação da reforma no sistema de saúde acabou com muitas incertezas de investidores sobre a questão.

Embora alguns analistas tenham levantado preocupações de que o projeto, aprovado no domingo, possa achatar os lucros corporativos e exigir mais custos, eles disseram que muito do impacto negativo já está precificado.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,41 por cento, para 10.785 pontos. O Nasdaq Composite subiu 0,88 por cento, para 2.395 pontos. O Standard & Poor's 500 ganhou 0,51 por cento, para 1.165 pontos.

"Independente de gostar ou não do setor de saúde, há agora certeza sobre o que vai acontecer", disse Matt Kaufler, gerente de portfólio e analista de ações da Clover Capital Management, em Rochester, Nova York.

Entre as companhias farmacêuticas, Pfizer subiu 1,4 por cento, enquanto Merck avançou 0,6 por cento. Ambas estão listadas no Dow Jones.

Do lado das empresas de seguro de saúde o desempenho foi divergente. WellPoint recuou 1,1 por cento, ao passo que Aetna teve alta de 0,5 por cento. Molina Healthcare, que deve se beneficiar da ampliação dos benefícios médicos à população, apreciou-se 3,6 por cento.

Muitas companhias de seguro de saúde registraram fortes ganhos na semana anterior à aprovação do projeto. O índice do Morgan Stanley para o setor subiu 1,3 por cento, sexta alta seguida.

Após um início de pregão negativo, o Dow recuperou-se e marcou a nona valorização em 10 sessões, na máxima em 17 meses.

"O fato de não termos visto uma grande queda mais cedo ajudou a fortalecer a confiança no mercado como um todo", afirmou Robert Pavlik, estrategista-chefe de mercado da Banyan Partners, em Nova York.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.