Tamanho do texto

A queda maior que a esperada no crédito ao consumidor norte-americano em fevereiro e os comentários de autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central americano) sobre questões como o déficit orçamentário e a inflação nos EUA pesaram sobre os índices do mercado de ações e adiaram por mais uma sessão um potencial avanço do Dow Jones para além dos 11 mil pontos.<p><p>A queda dos índices aprofundou-se após dados do Fed mostrarem que os norte-americanos deixaram os cartões de crédito na gaveta em fevereiro e indicarem que ainda estão pouco dispostos a se endividar, mesmo diante dos sinais de recuperação da economia.

A queda maior que a esperada no crédito ao consumidor norte-americano em fevereiro e os comentários de autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central americano) sobre questões como o déficit orçamentário e a inflação nos EUA pesaram sobre os índices do mercado de ações e adiaram por mais uma sessão um potencial avanço do Dow Jones para além dos 11 mil pontos.<p><p>A queda dos índices aprofundou-se após dados do Fed mostrarem que os norte-americanos deixaram os cartões de crédito na gaveta em fevereiro e indicarem que ainda estão pouco dispostos a se endividar, mesmo diante dos sinais de recuperação da economia. Segundo o Fed, o crédito ao consumidor dos EUA encolheu US$ 11,5 bilhões em fevereiro, para US$ 2,448 trilhões. Economistas previam uma queda de US$ 1 bilhão.<p><p>Antes disso, os índices das Bolsas de Nova York já caíam após o presidente do Fed, Ben Bernanke, afirmar que os EUA precisam começar a se preparar agora para os desafios trazidos pelo envelhecimento da população, preparando um plano confiável de redução da dívida pública. Bernanke alertou que as taxas de juro de longo prazo podem subir caso não exista um plano desse tipo, o que prejudicaria a recuperação da economia.<p><p>Outro fator negativo para as ações foram os comentários do presidente do Fed de Kansas City, Thomas Hoenig, sobre a possibilidade de o banco central norte-americano elevar a taxa básica de juros para 1% como precaução contra a inflação e possíveis bolhas nos mercados financeiros.<p><p>O Dow Jones fechou em queda pela segunda sessão consecutiva, perdendo 72,47 pontos, ou 0,66%, para 10.897,52 pontos. O índice não recuava por dois pregões seguidos desde fevereiro. A Alcoa foi o componente com o pior desempenho, caindo 1,93%, seguida pela American Express (-1,74%) e pela Caterpillar (-1,26%).<p><p>O Nasdaq teve declínio de 5,65 pontos, ou 0,23%, para 2.431,16 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 6,99 pontos, ou 0,59%, para 1.182,45 pontos.<p><p>As ações de companhias do setor de energia foram bastante prejudicadas pelo aumento nos estoques norte-americanos de petróleo. A Valero Energy recuou 3% e a Sunoco caiu 3,3%. A Massey Energy perdeu 6,7% após uma explosão numa mina operada pela companhia na Virgínia Ocidental. Os investidores estão preocupados com os potenciais impactos do acidente sobre a produção e os lucros. As informações são da Dow Jones.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.