SÃO PAULO - Os principais indicadores acionários americanos fecharam em forte queda o primeiro pregão da semana. Os investidores estão desconfiados da eficácia do plano proposto pelo governo dos EUA para tentar estancar a crise no setor financeiro.

O Dow Jones Industrial perdeu 3,3%, para 11.015,69 pontos. O Nasdaq diminuiu 4,2%, somando 2.178,98 pontos. O S & P 500 terminou aos 1.207,09 pontos, com queda de 3,8%.

No fim de semana, o governo Bush enviou aos congressistas a proposta de comprar US$ 700 bilhões em títulos atrelados a hipotecas. A dúvida é se essa quantia e as constantes intervenções do Estado vão ser de alguma valia. Até agora, as atuações do Executivo - como a intervenção nas financiadoras de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac - não foram suficientes.

Além disso, o impacto dessas ações sobre o desempenho futuro das instituições financeiras é incerto. O conjunto de ações e dúvidas também teve impacto negativo sobre a cotação do dólar, o que valorizou outras moedas e as commodities.

Nesse cenário, as ações de bancos tiveram queda expressiva no pregão de hoje. JP Morgan e Bank of America perderam 13,3% e 8,9%, respectivamente.

Goldman Sachs e Morgan Stanley, que deixarão de ser bancos de investimento para se tornarem holdings (sujeitas a maior regulamentação), caíram 6,9% e 0,4%, nessa ordem.

Com o medo de que a recessão possa ser inevitável, ações de empresas sensíveis ao consumo também tombaram hoje. General Motors perdeu 11,5%, American Express recuou 7,8% e Wal-Mart caiu 1,4%. O mesmo temor atingiu o setor de tecnologia, que viu queda nos papéis da HP (-2,3%) e Intel (-3,8%), por exemplo.

"(Valor Online, com agências internacionais)"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.