Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Wall Street afunda com temores de grave recessão

NOVA YORK - As bolsas de valores norte-americanas derreteram nesta quarta-feira com fracos dados econômicos elevando os temores de que todos os esforços para descongelar os mercados de crédito podem não evitar uma recessão severa. O Dow Jones perdeu 7,87%, a mais forte baixa desde o crash de 1987, e o Nasdaq, 8,47%.

Redação com agências |

Segundo cifras definitivas do fechamento, o Dow Jones Industrial Average (DJIA) perdeu 733,08 pontos a 8.577,91, e o Nasdaq, de papéis tecnológicos, caiu 150,68 pontos a 1.628,33.

O índice ampliado Standard & Poor's 500 cedeu 9,03% (90,17 pontos) a 907,84. "O mercado submergiu pelo temor da recessão" nos Estados Unidos, explicou Al Goldman, do Wachovia Securities.

As bolsas de valores acentuaram suas perdas reagindo às declarações dadas hoje pelo presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke.

Destacando as ameaças ao crescimento econômico, Bernanke alertou que os mercados de crédito levarão tempo para descongelar e acrescentou que, mesmo se os mercados financeiros se estabilizarem, a economia não irá se recuperar logo em seguida.

As declarações de Bernanke se somam ao ambiente ruim para os negócios desde o início do dia em Wall Street. A divulgação de três indicadores macroeconômicos piores do que o esperado - vendas no varejo, índice de preços ao produtor e índice Empire State - fizeram aumentar as preocupações entre os agentes do mercado financeiro sobre a saúde da economia.

Europa

As bolsas da Europa encerraram esta sessão com perdas em meio a temores renovados sobre a falta de dinamismo econômico e quedas nas ações industriais e de mineradoras. Os agentes deram atenção ao desempenho das vendas no varejo americano em setembro.

Muitos investidores mostraram-se inquietos com a perspectiva de uma recessão econômica, considerando insuficientes os esforços de governos e bancos centrais para dar liquidez no sistema financeiro e socorrer bancos.

Em Londres, o FTSE-100 diminuiu 7,16%, aos 4.079,59 pontos. O CAC-40, de Paris, apresentou decréscimo de 6,82%, aos 3.381,07 pontos. Em Frankfurt, o DAX diminuiu 6,49%, ficando em 4.861,63 pontos.

Ásia

A maioria das bolsas asiáticas fechou em baixa. Muitos agentes aproveitaram para embolsar os ganhos recentes. Prevaleceram as preocupações com a possibilidade de os esforços para restabelecer a confiança no sistema financeiro não serem suficientes para evitar uma eventual recessão.

Os investidores também deram sinais de inquietação com o impacto da crise financeira nos balanços corporativos. A paridade do dólar/iene foi outro elemento que mereceu acompanhamento.

O Hang Seng, de Hong Kong, diminuiu 4,96%, aos 15.998,30 pontos. Em Seul, o Kospi perdeu 2%, somando 1.340,28 pontos. O Shanghai Composite, de Xangai, ficou em 1.994,67 pontos, com decréscimo de 1,12%. Na contramão, em Tóquio, o Nikkei 225 aumentou 1,06%, somando 9.547,47 pontos.

(Com informações da Reuters, Agência Estado, AFP e Valor Online)

Mais notícias

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: wall street

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG