O líder do governo na Câmara, deputado Henrique Fontana (PT-RS), disse que não existe a hipótese da retirada da urgência constitucional do projeto de Lei que cria o Fundo Soberano. De acordo com ele, os R$ 14 bilhões que vão compor o fundo já estão economizados no caixa da União e prontos para serem usados, em 2009, num eventual momento de recessão.

Acordo Ortográfico "O governo não vai tirar a urgência do Fundo Soberano. É muito importante para o País. Os R$ 14 bilhões já estão poupados e podem ser usados já em 2009 para financiar as exportações", disse.

Sem a retirada da urgência constitucional, o projeto continua a trancar a pauta da Câmara. A oposição não aceita discutir o tema com tal urgência, ameaça obstruir as sessões e até mesmo questionar o projeto na Justiça caso o governo não viabilize um acordo.

"A oposição tem que entender que é hora de fazer o melhor para o Brasil, não é o momento para brigas", disse Fontana.

O líder disse que a única possibilidade de acordo com a oposição se dá na medida provisória 442, que facilita o socorro a bancos de pequeno porte e libera mais crédito para os exportadores. "Nesse caso podemos discutir questões pontuais. No mais, precisamos votar", pontuou.

O Fundo Soberano será, de acordo com o ministro do planejamento, Paulo Bernardo, uma espécie de poupança do País para investimentos em empresas brasileiras no exterior num eventual momento de recessão. O objetivo seria turbinar o crescimento do PIB em épocas de dificuldade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.