Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Volume diário de ACC despenca 64% na comparação com ritmo pré-crise

SÃO PAULO - O volume médio diário das operações de crédito para exportação na modalidade ACC (Adiantamento sobre Contrato de Câmbio) despencou 64% na comparação entre o montante observado na primeira quinzena de setembro - antes da quebra do Lehman Brothers e do agravamento da crise - e os oito primeiros dias úteis de outubro. O volume médio caiu de US$ 331 milhões por dia para US$ 116 milhões.

Valor Online |

A comparação do dado parcial de outubro, divulgado hoje pelo Banco Central (BC), com a segunda quinzena de setembro, também mostra uma piora. O volume de operações caiu 20%, de US$ 145 milhões médios por dia na segunda metade do mês passado, para US$ 116 milhões agora.

No total, os bancos liberaram US$ 930 milhões em operações de ACC para as empresas exportadoras neste início de outubro. O volume é 45% menor que o liberado no mesmo período do ano passado, quando foi de US$ 1,697 bilhão.

Os dados confirmam que um dos principais canais de transmissão da crise financeira internacional para a economia brasileira é exatamente o crédito para exportação. Sem acesso a funding em dólares - ou ao menos com receio de não conseguir renovar as captações que vencerem - os bancos reduzem os repasses para as empresas que vendem ao exterior.

Para tentar contornar este problema, o Banco Central lançou mão de duas estratégias. Uma é a que permite usar as reservas internacionais para dar funding em dólares para os bancos brasileiros repassarem crédito para as exportadoras. A autorização foi dada por meio de medida provisória e já foi regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), mas ainda não entrou em prática.

Outra ação do BC foi permitir que os bancos usem cerca de R$ 19 bilhões de recolhimentos compulsórios sobre os depósitos interfinanceiros das empresas de leasing para participar dos seus leilões de linha no mercado local. Nestas operações, o Banco Central vende moeda no mercado á vista, com compromisso de recompra numa data futura. Na prática, a operação funciona como um empréstimo de dólares.

(Fernando Torres | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG