Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Volkswagen vende menos no mundo e cresce no Brasil

SÃO PAULO - A Volkswagen registrou ganho de mercado em sua marca em janeiro, com uma queda de vendas mais lenta que o recuo sofrido pela indústria no mundo, de 24%. As vendas da marca Volkswagen em janeiro caíram 14,1%, para 246,7 mil veículos, informou a companhia ontem. A companhia também confirmou que a entrega de veículos do grupo a clientes caiu em 20% em janeiro, para cerca de 382 mil unidades.

Valor Online |

A Volks informou que não vê recuperação no horizonte, mas que registrou melhora no crescimento na Rússia, onde as vendas do grupo subiram 12,7%, para 6,6 mil veículos.

No Brasil, terceiro maior mercado da companhia depois da Alemanha e China, também registrou avanço, subindo 1,3%, para 47,6 mil unidades. Na China, as vendas caíram 11%, para 83,9 mil veículos.

Envolvida na maior crise da sua história, a General Motors está solicitando à Suécia que avalize US$ 600 milhões em empréstimos do Banco Europeu de Investimento (BEI) para manter a divisão Saab Automobile operando até que ela possa ser reestruturada para ser vendida, disse pessoa familiarizada com as negociações.

Os empréstimos, juntamente com cerca de US$ 400 milhões vindos da GM, permitirão que a Saab lance novos modelos que a mantenham competitiva, disse a pessoa, que pediu para não ter seu nome divulgado devido ao caráter reservado das negociações. Se a Saab não obtiver a ajuda, poderá ter de se submeter ao regime de reestruturação previsto pela legislação sueca, disse a pessoa.

É " possível " que a GM tenha dito ao governo sueco que qualquer decisão da Suécia de não ajudar a Saab poderá ter como consequência a instauração do regime de reorganização ou o fechamento da Saab, disse Eric Geers, porta-voz da Saab. Ele preferiu não comentar a magnitude e a estrutura potencial de um pacote de ajuda governamental. A porta-voz da GM, Joanne Krell, não comentou.

A Caterpillar disse estar oferecendo um pacote de demissão voluntária a cerca de 2.000 funcionários da produção nos Estados Unidos devido às " quedas significativas " da demanda por seus tratores, escavadeiras e outros equipamentos de construção civil.

O plano anunciado ontem vem se somar aos mais de 22.100 funcionários e prestadores de serviços que a Caterpillar já disse estar demitindo ou dispensando. Mais fechamentos de postos de trabalho poderão ser necessários, disse a empresa.

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG