SÃO PAULO - Com um desempenho volátil ao longo do pregão, o Ibovespa, que já oscilou entre 68.831 pontos e 69.

SÃO PAULO - Com um desempenho volátil ao longo do pregão, o Ibovespa, que já oscilou entre 68.831 pontos e 69.709 pontos, opera em queda ao fim da primeira etapa dos negócios. Há pouco, o índice diminuía 0,63%, aos 68.947 pontos, com giro financeiro de R$ 2,333 bilhões. Nos Estados Unidos, o mercado também mostra oscilações e, minutos atrás, as bolsas operavam sem direção definida. Enquanto o índice Dow Jones subia 0,02%, o Nasdaq tinha queda de 0,28% e o S & P 500 declinava 0,08%. "Embora o petróleo esteja melhorando, a queda das commodities na Ásia, com destaque para o minério de ferro, pode explicar uma parte da baixa do Ibovespa, mas não há nada que justifique uma piora muito grande do índice", ressaltou o gestor de renda variável da Infinity Asset, George Sanders. Os investidores têm uma agenda carregada de números para avaliar. Além dos balanços trimestrais da Xerox, da Microsoft e da Amazon, os agentes analisam indicadores americanos e notícias da Grécia. O país pediu a ativação do plano de resgate acertado entre líderes europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) para socorrê-lo da crise da dívida. A chanceler alemã Angela Merkel disse que a Grécia deve finalizar a negociação com o FMI antes de serem tomadas as decisões sobre o montante de ajuda financeira que Atenas vai receber. Ela enfatizou que nenhuma decisão sobre a contribuição da Alemanha ao pacote de ajuda pode ser tomada antes do término dessa negociação com o Fundo. A decisão da Grécia estimulava os ganhos das bolsas europeias. Nos Estados Unidos, enquanto o mercado imobiliário mostrou um forte desempenho em março, as encomendas de bens duráveis no país recuaram pela primeira vez em quatro meses. No mercado doméstico, as blue chips contribuíam para as perdas do Ibovespa. Há instantes, os papéis PN da Petrobras cediam 0,14%, a R$ 33,55, com giro de R$ 166,8 milhões, enquanto Vale PNA recuava 1,20%, a R$ 49,09, com volume de R$ 404 milhões. Também dava força para a queda do índice o movimento dos papéis da Usiminas PNA, que cediam 0,78%, a R$ 58,14, CSN ON, com baixa de 0,68%, a R$ 33,47, e MMX ON, com recuo de 0,52%, a R$ 13,15. Os papéis ON da OGX Petróleo ainda se desvalorizavam em 2,39%, a R$ 17,92, com giro de R$ 94,7 milhões. Já os papéis PN da Gerdau lideravam as altas do Ibovespa, ao subirem 1,04%, para R$ 30, seguidos pelas ações PN da AmBev, com valorização de 0,82%, a R$ 173,15, e Klabin PN, com ganhos de 0,76%, a R$ 5,26. No mercado brasileiro, o saldo de atuação do investidor estrangeiro na Bovespa estava positivo em R$ 298 milhões no acumulado do mês, até o dia 20. O total resulta de compras no valor de R$ 26,2 milhões e de vendas de R$ 25,9 milhões. Apesar disso, o Ibovespa recuou 1,50% no período. Apenas na última terça-feira, quando o principal índice da Bovespa subiu 0,32%, o não residente retirou R$ 17,2 milhões do mercado. No ano, o resultado da atuação do investidor internacional na bolsa brasileira está positivo em R$ 297,8 milhões. (Beatriz Cutait | Valor)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.