A Vivendi anunciou hoje que alcançou a participação de 50,9% no capital da operadora de telefonia GVT e aplacou os rumores de que poderia não obter a maioria das ações da companhia. As dúvidas sobre o negócio, no entanto, persistem, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado.

O grupo francês anunciou a compra da GVT em 13 de novembro, a partir de uma intrincada operação que combinava a compra direta de 37,9% das ações mais o direito de adquirir outros 19,6% por meio de contratos de opções. O preço pago por ação da GVT, de R$ 56,00, avaliou a operadora em R$ 7,2 bilhões.

Questionada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a respeito desses contratos de opções, os esclarecimentos da Vivendi foram considerados insuficientes pela autarquia, responsável pela regulação do mercado de capitais brasileiro.

Segundo o vice-presidente de comunicação da Vivendi, Simon Gillham, a empresa realizou o negócio seguindo os mais altos padrões de governança corporativa. "Estamos confiantes de que podemos responder a todas as questões da CVM", afirmou. Após o comunicado da empresa divulgado hoje, a CVM informou apenas que as investigações sobre o caso prosseguem.

O grupo francês informou ter fechado as opções com a Tyrus Capital. Os contratos dão o direito de a companhia comprar 24.934.700 ações da GVT. Essa quantidade de ações, no entanto, é alvo de questionamentos, já que a Tyrus informou à CVM dias antes do negócio deter apenas 8.520.000 papéis, o equivalente a 6,63% do capital da GVT. Apenas com essa participação a Vivendi não teria a maioria do capital da operadora.

O acordo prevê o direito de exercício das opções pela Vivendi até fevereiro. A Tyrus teria confirmado aos franceses que na data de transferência das ações terá a propriedade dos papéis, de acordo com a resposta encaminhada à CVM.

Telefônica
Ao anunciar a compra da GVT, a Vivendi desbancou a Telefônica, que havia oferecido R$ 50,50 por ação da companhia em um leilão que seria realizado na Bovespa no dia 19 de novembro. Segundo apurou a Agência Estado, a operadora espanhola deverá aguardar o resultado das investigações da CVM antes de decidir se entrará na Justiça para bloquear o processo de venda da GVT.

Um dos pontos questionados pelos espanhóis no contrato de opções fechado pela Vivendi é o fato de a participação da Tyrus ser detida por meio de instrumentos derivativos, e não diretamente. "A Tyrus tinha os direitos econômicos, e não políticos, sobre a ação", considera uma fonte próxima à Telefônica. Procurada, a operadora informou que não se manifestaria sobre o assunto.

Novas opções?
Para alcançar a participação de 50,9% anunciada hoje, a Vivendi informou ter exercido 8,8 milhões de opções de compra no dia 20 de novembro. A empresa não esclarece, no entanto, se estas opções foram as mesmas fechadas com a Tyrus ou se tratam de contratos novos. Essas ações, somada às opções ainda não exercidas, elevam a participação da Vivendi no capital da operadora para 62,85%.

No pregão da Bovespa, as ações da GVT fecharam em alta de 0,53%, a R$ 55,29. O volume negociado foi de R$ 285 milhões, o quarto maior de toda a bolsa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.