Tamanho do texto

São Paulo, 12 - A visita do presidente da China, Hu Jintao, ao Brasil nesta semana deve contribuir para o processo de abertura daquele mercado às carnes suína e bovina do País. O ministro responsável pela habilitação de frigoríficos (AQSIQ), Wang Yong, deve se encontrar com o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, na quinta ou na sexta-feira.

São Paulo, 12 - A visita do presidente da China, Hu Jintao, ao Brasil nesta semana deve contribuir para o processo de abertura daquele mercado às carnes suína e bovina do País. O ministro responsável pela habilitação de frigoríficos (AQSIQ), Wang Yong, deve se encontrar com o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, na quinta ou na sexta-feira. A expectativa é de que questões práticas sejam resolvidas para agilizar os embarques dos produtos brasileiros. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro de Camargo Neto, a indústria exportadora de suínos recebeu do governo federal o compromisso de incluir a habilitação de frigoríficos brasileiros na pauta do encontro bilateral. Em dezembro passado, a China reconheceu as regiões livres de febre aftosa no Brasil, o que significa que o obstáculo sanitário para as exportações à China foi vencido. Agora, é preciso agendar a visita de uma missão chinesa ao País para a análise dos frigoríficos pré-aprovados a exportar carne suína para a China. Segundo o presidente da Abipecs, 25 unidades já foram selecionadas previamente. Camargo Neto, que esteve na China em fevereiro, disse que, na ocasião, representantes chineses marcaram uma visita ao Brasil para o final de maio. "A expectativa é de que essa missão seja agendada no encontro entre Wang Yong e o ministro Wagner Rossi", afirmou. <b>Bovinos</b> O diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne (Abiec), Otávio Cançado, também acredita que a visita de Yong ao Brasil pode contribuir para acelerar o processo de liberação dos frigoríficos brasileiros aptos a exportar carne bovina para a China. Em fevereiro, o país asiático reconheceu 16 estados brasileiros e o Distrito Federal como áreas livres de febre aftosa, o que possibilitará as exportações de carne in natura diretamente para o país. Hoje, a carne brasileira entra na China via Hong Kong. "Não temos frigoríficos habilitados ainda", explica Cançado.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.