Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

VIA quer substituir perda de contrato com HP por vendas em emergentes

SÃO PAULO - A fabricante taiwanesa de chips VIA Technologies já começa a se preparar para os efeitos da perda do contrato de fornecimento de processadores para a linha de netbooks da Hewlett-Packard (HP). Uma das alternativas para a companhia, que com o surgimento desse novo segmento de computadores portáteis se tornou a terceira força do mercado mundial de chips, é apostar em mercados emergentes.

Valor Online |

Na semana passada a HP lançou seu novo netbook, o HP Mini 1000, segundo produto nessa categoria da maior fabricante mundial de PCs. Enquanto a primeira geração utilizava processadores C7-M da VIA, o novo produto irá utilizar o Atom, da Intel.

O alívio para a VIA, porém, é o fato de que o novo lançamento da HP não irá representar o fim imediato da geração anterior, que deve continuar a ser fabricada no mínimo até meados do ano que vem.

Para se preparar, a companhia lançou o programa "Bazar de Mobilidade Global", uma iniciativa para incentivar a fabricação local de computadores de baixo custo em países em desenvolvimento. Nesse projeto, a VIA conta com a ajuda da Microsoft e de 15 fabricantes chinesas de computadores, que têm o objetivo de criar um padrão de infra-estrutura para a fabricação de PCs portáteis com telas de 7 polegadas a 15 polegadas e custo final ao consumidor de US$ 400 ou menos. Eles deverão ser disponibilizados em regiões relativamente pobres, como a América do Sul, a própria China, a Índia e o leste europeu.

"Sendo o segmento com ritmo de crescimento mais acelerado no mercado de PCs, os computadores portáteis oferecem oportunidades significativas para os integrantes de nosso novo programa 'Bazar de Mobilidade Global'", disse o vice-presidente de Marketing da VIA, Richard Brown. "Estamos animados com a parceria com eles para o desenvolvimento de um amplo espectro de aparelhos que possam suprir as cada vez mais sofisticadas demandas dos usuários móveis tanto em mercados desenvolvidos como emergentes", acrescentou.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG