Tamanho do texto

Todas as 115 lojas do restaurante McDonalds na Venezuela foram fechadas ontem por 48 horas por determinação do Seniat, a autoridade fiscal venezuelana equivalente à Receita Federal do Brasil. O fechamento temporário de empresas por irregularidades tributárias tem sido freqüente no país desde o início desta década, em razão do esforço do governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, para ampliar a arrecadação de impostos.

"A máxima autoridade do Seniat afirma que a ação (contra o McDonalds) foi executada conjuntamente pela Intendência Nacional de Tributos Internos e a Gerência de Fiscalização, depois de detectar inconsistências nos livros de compra e venda no que se refere ao recolhimento do Imposto sobre Valor Agregado", informou o Seniat em comunicado divulgado após o fechamento.

A medida inclui ainda uma multa de 1.150 bolívares fortes (US$ 535) para cada uma das três empresas proprietárias ou administradoras das franquias do restaurante, que tem uma das mais conhecidas marcas comerciais dos EUA.

No começo do ano, uma medida semelhante causou o fechamento temporário dos escritórios administrativos da Pepsi-Cola - outro ícone do capitalismo americano -, operados na Venezuela pelo maior grupo do setor de alimentos do país.

Ainda ontem, durante um ato político transmitido pela TV estatal, Chávez anunciou que o presidente russo, Dmitri Medvedev fará uma visita à Venezuela no fim de novembro, "poucos dias depois das eleições (legislativas e regionais) do dia 23". "Será uma honra para nós receber esse bom amigo", disse Chávez.

Em setembro, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, anunciou a intenção de ajudar Caracas a desenvolver um programa de energia nuclear com fins pacíficos - numa aproximação vista com cautela por Washington. Navios e barcos da Rússia têm-se dirigido à Venezuela para realizar exercícios militares no Caribe, ao mesmo tempo em que Chávez vem firmando contratos de mais de US$ 5 bilhões com Moscou para a aquisição de helicópteros, caças e fuzis russos. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.