SÃO PAULO - A forte melhora de humor em Wall Street ajuda a limitar as vendas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que ensaia uma recuperação depois de uma queda de 1,2% pela manhã. Por volta das 12h45, o Ibovespa recuava 0,15%, para 56.934 pontos, com giro financeiro em R$ 1,60 bilhão.

O economista-chefe da Corretora Gradual, Pedro Paulo Silveira, notou que, levando em conta a acentuada queda no preço das commodities no mercado internacional, a Bovespa se comporta de maneira positiva.

"Lá fora continua o movimento de queda no preço das matérias-primas, o que é positivo no sentido de conter a inflação no mundo, mas aqui isso acaba machucando a bolsa por causa do peso de Petrobras, Vale e siderúrgicas", resume.

Silveira também aponta que as ações relacionadas ao mercado interno seguram uma desvalorização maior do índice, assim como a acentuada alta nas bolsas norte-americanas.

Em Wall Street, a queda no preço do petróleo desvia atenção do prejuízo de US$ 2,3 bilhões amargado pela Fannie Mae no segundo trimestre. Depois de abrir o dia em baixa, há pouco, o Dow Jones ganhava 1,65%, enquanto a Nasdaq subia 1,59%.

Dentro do Ibovespa, a ação PN da Petrobras lidera o volume negociado, caindo 0,67%, para R$ 33,63. Vale PNA perdia 0,73%, para R$ 36,48. Entre as siderúrgicas, CSN ON apresenta baixa de 1,28%, para R$ 55,13, e Usiminas PNA recuava 1,06%, para R$ 60,50.

Entre os 10 mais negociados, o papel PN das Lojas Americanas caía 4,44%, para R$ 11,18. A varejista fechou o segundo trimestre com prejuízo de R$ 14,5 milhões.

Já a ação ON da também varejista B2W subia 0,54%, para R$ 60,63. A empresa que concentra o site de vendas Submarino e a Americanas.com lucrou R$ 16,4 milhões no trimestre, alta de 47% no comparativo anual.

A baixa no preço do petróleo estimula a compra de papéis do setor aéreo. TAM PN avançava 3,94%, para R$ 34,25. Já o papel PN da Gol valorizava 2,57%, para R$ 16,85. Ontem, a ação da companhia perdeu quase 14%, seguindo a suspensão no pagamento de dividendos em 2008.

Dólar

Avaliando a forte valorização do dólar, que já subiu 3,6% ante o real na semana, o economista observa que a moeda norte-americana ganha valor no mundo todo e por aqui não seria diferente. Além disso, a formação da taxa reflete a saída de recursos do país e a reversão de posições vendidas no mercado futuros. Por volta das 12h45, a moeda valia R$ 1,6150 na venda, alta de 1,44%. Tal preço não era observado desde meados de junho.

Leia também:

Leia mais sobre Bovespa - dólar

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.