Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vendas no varejo nos EUA caíram 0,1% em julho

Washington, 13 ago (EFE).- As vendas no varejo nos Estados Unidos caíram 0,1% em julho, devido à considerável queda das vendas de veículos automotores, informou hoje o Departamento de Comércio americano.

EFE |

Excluindo a redução de 0,4% nas vendas de automóveis e caminhonetes, as vendas no varejo subiram 0,4% no mês passado.

Por outro lado, excluindo o aumento de 0,8% nas vendas de gasolina - que diz respeito mais ao aumento dos preços do que do volume -, as vendas dos negócios no varejo teriam caído 0,4% em julho.

O Departamento de Comércio mostrou também que, excluindo tanto os veículos automotores quanto a gasolinas, as vendas no varejo subiram 0,3% em julho.

Após um aumento de 0,3% nas vendas gerais no varejo em junho, a maioria dos economistas tinha calculado que, em julho, a redução seria de 0,3%.

O Departamento de Trabalho informou hoje que, em julho, os preços das importações subiram 1,7%, em grande medida como resultado dos custos do petróleo e do gás adquiridos no exterior.

Os preços das importações dos EUA subiram 21,6% nos últimos 12 meses, o maior aumento anualizado na história deste indicador.

Os preços do petróleo importado subiram 4% em julho, e os do gás natural aumentaram 5,8%.

Excluindo todos os combustíveis, os preços das importações aumentaram 0,7% no mês passado.

As vendas no varejo nos EUA aumentaram 2,6% em números não ajustados pela inflação. Excluindo a gasolinas, o valor das vendas subiu apenas 0,2% em um ano.

Equivalentes a quase um terço da atividade econômica dos EUA, as vendas no varejo mantiveram com dificuldades o ritmo da inflação durante vários meses.

A injeção de dinheiro administrada pelo Governo, através da devolução de impostos no valor de quase US$ 155 bilhões, foi contrabalançada, em grande medida, pelos preços mais altos da energia.

O relatório do Governo mostra que uma parte da devolução de impostos foi utilizada na compra de bens duráveis: as vendas de móveis subiram 1% - o maior aumento em 18 meses - e as vendas nas lojas de equipamentos eletrônicos e artigos do lar aumentaram 0,8%.

EFE jab/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG