Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vendas no varejo e IGP-M estimulam apostas de juros menores

SÃO PAULO - Apoiados nos indicadores domésticos, os contratos de juros futuros voltaram a recuar na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F). A inflação parou de surpreender para cima e os dados de atividade ainda são negativos, cenário que abre espaço para corte mais acentuado de juro.

Valor Online |

Refletindo esse ambiente, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 declinava 0,04 ponto, a 10,97%. O contrato para janeiro 2011 tinha desvalorização de 0,06 ponto, a 11,42%. E janeiro 2012 apontava 11,73%, queda de 0,05 ponto.

Na ponta curta, o DI para março de 2009 não registrava negócios. Abril de 2009 marcava 12,20%, desvalorização de 0,03 ponto. E julho de 2009 cedia 0,03 ponto, para 11,47% ao ano.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que as vendas no varejo caíram 0,3% em dezembro de 2008 se comparadas ao mês de novembro, contrariando previsão de leve recuperação. Quando comparado a igual mês de 2007, o comércio cresceu 3,9%. Em todo o ano de 2008, as vendas subiram 9,1%.

Pelo lado da inflação, a segunda-prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) apontou alta de 0,45%, revertendo deflação de 0,58%, mas ficando em linha com o estimado pelos economistas.

O analista da Itaú Corretora, Maurício Oreng, comenta que o ambiente macroeconômico continua de redução na atividade, contração da inflação e, consequentemente, juros menores.

Para Oreng as venda no varejo foram fracas, refletindo principalmente a menor comercialização de bens duráveis. Pelo lado da inflação, os dados de curto prazo não têm importância; o que tem validade é o cenário prospectivo e esse não traz preocupação, segundo o analista.

"Continua a perspectiva de atividade ruim. Tem espaço para o Banco Central acelerar o passo", diz o analista que trabalha com corte de 1,5 ponto percentual na taxa Selic na reunião de março do Comitê de Política Monetária (Copom).

Na gestão da dívida, o Tesouro Nacional realiza leilão para a venda de Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B). A primeira etapa tem liquidação financeira e a segunda etapa, agendada para amanhã, acontece via transferência de títulos.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG