Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vendas no varejo e bancos pesam sobre Bolsas de NY

Os índices futuros de ações de Wall Street acentuaram as quedas que vinham apontando desde o início do dia, após o Departamento de Comércio dos EUA informar que as vendas no varejo diminuíram 2,7% em dezembro ante novembro. O dado, somado a uma série de notícias desfavoráveis de bancos, fez crescer as preocupações com a economia como um todo e com o setor financeiro em particular.

Agência Estado |

O índice Dow Jones abriu o pregão regular em baixa e recuava 1,71% a 8.303 pontos, às 12h34. O Nasdaq seguiu a mesma direção e caía 1,57% a 1.522 pontos; o S&P 500 registrava baixa de 1,91% a 855 pontos.

A queda das vendas no varejo dos EUA em dezembro foi a sexta consecutiva, e foi bem mais acentuada do que o recuo de 1,2% esperado por analistas. Excluindo automóveis e autopeças, as vendas no varejo diminuíram 3,1% em dezembro, mais que o dobro do recuo de 1,5% previsto por analistas. Os declínios registrados em novembro e outubro também foram revisados para pior.

Além desse dado, foi anunciado também que os preços dos importados caíram 4,2% numa base mensal em dezembro nos EUA, menos do que o declínio de 6% esperado por Wall Street. A agenda de hoje ainda traz, após a abertura, os estoques das empresas em novembro e o Livro Bege.

Além dos dados macroeconômicos, um dos focos dos investidores hoje será o setor financeiro, o principal responsável pelo acentuado recuo das bolsas europeias. O Deutsche Bank alertou que, tomando como base números preliminares e não auditados, deve ter registrado prejuízo depois de impostos de cerca de 4,8 bilhões de euros (US$ 6,3 bilhões) no quarto trimestre do ano passado. Suas ações caíam mais de 7% em Frankfurt. HSBC despencava 8% em Londres, após um analista do Morgan Stanley afirmar que o banco britânico precisa levantar até US$ 30 bilhões em capital e cortar seus dividendos à metade. Os ADRs caíam 10% no pré-mercado em Nova York.

"Não há lugar onde se esconder, mesmo para os bons bancos", disse o analista Derek Chambers, da equipe de pesquisa de ações da Standard & Poor's.

Outro destaque do setor financeiro é o plano anunciado ontem à noite pelo Citigroup e pelo Morgan Stanley de fundirem suas operações de corretagem em uma joint venture. Em troca da Smith Barney, o Citi ficará com US$ 2,7 bilhões e uma fatia de 49% na joint venture.

No setor de tecnologia, a problemática fabricante de equipamentos de telecomunicações canadense Nortel Networks teve as negociações com seus papéis interrompidas no pré-mercado, após registrarem queda de 76%. O grupo pediu concordata hoje. As ações da Yahoo subiam 0,17%, após a companhia escolher Carol Bartz para substituir Jerry Yang no cargo de executivo-chefe. A varejista de bens de luxo Tiffany perdia mais de 6%, após informar que suas vendas de final de ano caíram 21% em comparação com os níveis de 2007. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG