Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vendas de celulares vão crescer 11% no ano, aponta pesquisa do Gartner

SÃO PAULO - As vendas mundiais de celulares devem crescer 11% neste ano. No total, serão comercializados 1,28 bilhão de unidades em 2008, contra 1,15 bilhão em 2007, afirma a consultoria Gartner.

Valor Online |

Apenas no primeiro trimestre deste ano, foram vendidos 294,3 milhões de aparelhos celulares. Para o Gartner, o volume do segundo trimestre deve ficar entre 300 milhões e 305 milhões de unidades comercializadas.

No segundo semestre do ano esperamos que as vendas do terceiro trimestre fiquem acima dos resultados do segundo trimestre, mas apenas moderadamente, já que a Motorola e a LG alertaram para quedas em suas vendas, ao mesmo tempo em que o ambiente econômico permanece difícil, afirmou a diretora de Pesquisa em Aparelhos Móveis do Gartner, Carolina Milanesi. Todas as esperanças dos fabricantes de celulares para o crescimento total no ano se baseiam no trimestre final, quando a maioria dos novos produtos será lançada e a sazonalidade normal ajudará a elevar as vendas, acrescentou.

O Gartner afirma que, embora o crescimento nas vendas deva ser de dois dígitos tanto neste ano como em 2009 (a previsão para o ano que vem é de expansão de 10,3%), a indústria enfrenta desafios em algumas regiões, nas quais se espera um declínio nas vendas em 2008. Segundo a consultoria, o resultado no ano dependerá bastante dos mercados emergentes, uma vez que os mais maduros, como a Europa Ocidental, o Japão e a América do Norte alcançam o ponto de saturação.

Na região da Ásia e Pacífico, a expectativa é que as vendas cheguem a 472,5 milhões de unidades neste ano, 17,9% mais que no ano passado. Já na Europa Ocidental, as vendas devem ser de 188 milhões, 1,5% a menos que em 2007. A América do Norte terá um aumento de 5,3% nas vendas em 2008, chegando à marca de 185,7 milhões de aparelhos, enquanto, no Japão, haverá queda de 9,1% sobre 2007, para 47,7 milhões de celulares.

Com um mercado mais maduro, as operadoras móveis percebem que sua receita com serviços começa a ser pressionada e, puxada pelas tarifas mais baixas, a demanda por serviços de dados começa a crescer, aumentando a necessidade por investimentos na rede, afirma a analista do Gartner. O controle de custos e a pressão em relação aos preços dos fornecedores têm sido a regra geral para os operadores. Dessa forma, os fabricantes de aparelhos estão sendo bastante pressionados para baixar seus preços, conclui.

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG