Tamanho do texto

SÃO PAULO - As vendas de veículos nos Estados Unidos no mês de setembro voltaram a sofrer os efeitos da retração da economia e do crédito, com baixa significativa das vendas das principais montadores, entre as quais a Ford e a General Motors (GM), as duas principais montadoras dos EUA. O desempenho pode levar a indústria do país à 11ª queda consecutiva nas vendas mensais, o maior ciclo baixa em 17 anos.

Os dados oficiais ainda não foram divulgados pelo setor.

Além da desaceleração econômica do país, os altos preços dos combustíveis continuam prejudicando a demanda por carros, especialmente os maiores. O tumulto em torno da falta de liquidez do setor bancário e financeiro também não colabora para a já combalida confiança dos consumidores, que também encontram menor oferta de crédito.

Segundo dados divulgados pela Ford, as vendas de setembro foram 35% inferiores ao resultado apurado um ano antes e a montadora considerou o pior mês do ano, com vendas de 120.788 unidades. No caso da GM o desempenho foi 15,6% menor no mesmo período, com 282.806 veículos vendidos. Apesar da baixa, o resultado superou as expectativas dos analistas.

A Honda reportou baixa de 24% nas vendas nos Estados Unidos, para 96.626 carros, enquanto a Toyota informou recuo de 32%, para 144.260 veículos, e a Hyundai viu baixa de 25%, para 24.765 unidades. No caso da Porsche, a queda foi de 44% na América do Norte, para 1.458 carros. As vendas da Nissan caíram 37%, para 59.565 unidades, e as da Chrysler foram 33% menores no período, somando 107.349 veículos.

(Valor Online, com agências internacionais)