Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

VCP confirma acordo para comprar 28% da Aracruz por R$ 2,71 bi

SÃO PAULO - A Votorantim Celulose e Papel (VCP) fechou acordo para comprar a participação de 28% na Aracruz Celulose detida pelas famílias Lorentzen, Moreira Salles e Almeida Braga (do Icatu), unidas na holding Arapar. As 127,5 milhões de ações serão adquiridas por R$ 2,71 bilhões - mesmo preço que tinha sido acertado em agosto de 2008, antes da divulgação das fortes perdas com derivativos de câmbio registradas pela Aracruz.

Valor Online |

Essas perdas levaram a companhia a um prejuízo de US$ 2,13 bilhões e deixaram a operação em suspenso.

Hoje, o Valor Econômico noticiou que a Aracruz chegou a um acordo com um grupo de bancos credores estrangeiros para financiar a dívida de US$ 2,13 bilhões. A Aracruz terá nove anos para saldar a dívida, além de seis meses de carência. Essa solução era tida como fundamental para deslanchar a compra das ações de controle de Aracruz pela Votorantim.

Pelo acerto anunciado hoje, a VCP fará o pagamento em seis parcelas, sendo a primeira de R$ 500 milhões em dinheiro na data de liquidação, em 21 de janeiro. A última parcela, de R$ 300 milhões, será paga em dinheiro em 5 de julho de 2011.

Ao mesmo tempo, a VCP estendeu a outro acionista, a Arainvest - dos irmãos Safra - as mesmas condições de negócio, caso opte por também vender sua participação, que é de 28%. A holding pode se manifestar sobre isso até 21 de janeiro.

O grupo Votorantim, dono da VCP, vai adiantar à empresa R$ 600 milhões para pagar a primeira parcela do acordo com a Arapar. Caso a Arainvest também queira vender sua parte, o Votorantim fará novo aporte, de R$ 400 milhões, para que as duas contas sejam quitadas.

No caso de as duas holdings acionistas venderem suas participações para a VCP, esta terá comprado 56% do capital votante da Aracruz. Por isso, como manda a legislação, terá de fazer uma oferta pública para adquirir as ações da Aracruz em circulação no mercado, a um preço de 80% do valor pago às duas holdings. Nesse processo, os minoritários poderão receber em troca ações preferenciais da VCP, se desejarem, " sendo certo que na citada integralização o valor de cada ação ordinária de emissão de Aracruz será de R$ 14,56 " . Essa oferta pública só será realizada se a Arainvest acompanhar a holding das famílias na operação, enfatiza o fato relevante publicado hoje pela VCP.

Dentro de cinco dias a VCP vai convocar uma Assembléia Geral Extraordinária (AGE) para deliberar aumento de seu capital social, no montante de até R$ 4,254 bilhões, com a emissão de até 223,9 milhões de ações (sendo 62,1 milhões de ordinárias) a um preço de emissão de R$ 19 por ação, para subscrição privada, com direito de preferência para os atuais acionistas. Esse preço corresponde ao valor de cotação média de 2 de dezembro de 2008 a 16 de janeiro de 2009, mais um prêmio de 11,78%. O fato relevante diz que esse valor " é o que melhor reflete, neste momento, no entender dos administradores da companhia, o valor das novas ações a serem emitidas no aumento de capital " .

O grupo Votorantim vai subscrever as 62,1 milhões de ordinárias por R$ 1,180 bilhão - dos quais R$ 1 bilhão já terá sido adiantado à VCP para pagar as primeiras parcelas das aquisições. A BNDESPar, que possui 78,6% das ações ordinárias da Aracruz em circulação, vai subscrever o equivalente a R$ 828,185 milhões em ações preferenciais da VCP - operação na qual dará em troca suas ações ordinárias da Aracruz pelo preço unitário de R$ 14,56. Além disso, a BNDESPar também " deverá garantir a subscrição e a integralização de até 95.789.474 das ações preferenciais e/ou das sobras de ações preferenciais de emissão da VCP em um montante total de até R$ 1,82 bilhão " . Os demais acionistas da Aracruz também terão o direito de subscrever as preferenciais da VCP dando em troca as ordinárias da Aracruz. As sobras deverão ser garantidas pelas holdings Arapar e Arainvest, no montante de R$ 100 milhões cada uma. Em até 270 dias após a conclusão do processo, a VCP vai aderir ao Novo Mercado da Bovespa.

A Arainvest terá 30 dias de prazo de preferência no aumento de capital da VCP, que pode ser estendido por mais 60 dias. Se a holding não se manifestar nesse prazo, esclarece a VCP, a operação será restrita à participação da Arapar. No entanto, a Arainvest também tem preferência para adquirir os 28% da holding das famílias. Neste caso, a VCP transferirá as ações para a Arainvest e cancelará as demais operações planejadas.

Leia mais sobre fusão

Leia tudo sobre: fusão

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG