Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Valor do plano de ajuda do BNDES está em discussão

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) prepara um pacote bilionário para ajudar empresas exportadoras e companhias locais que tenham sido vítimas da redução na disponibilidade de créditos no mercado. Ontem, em Genebra, o vice-presidente do banco, Armando Mariante, confirmou os planos do BNDES, anunciados na semana passada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, mas não assegurou o valor já divulgado, de R$ 10 bilhões.

Agência Estado |

Outro projeto que está sendo preparado é a participação do banco em fusões e na consolidação de empresas imobiliárias e da construção no Brasil para fortalecer um dos setores que mais criam empregos no País. "O Brasil não ficou imune à crise e em um momento desses é que o Estado precisa se fazer presente", disse Mariante.

"A idéia desses recursos extras é ajudar as empresas exportadoras e importantes companhias locais que tenham bons caixas, mas tenham sofrido com a falta de crédito por causa de uma crise importada", disse Mariante. Ele não deu detalhes de quando o plano seria concluído, mas deixou claro que o tema é alvo de debates constantes no governo. "Será um plano multissetorial, voltado Àqueles que foram vítimas."

Mariante confirmou que o BNDES estava desde sexta-feira pelo menos em contato com o Ministério da Fazenda para determinar o valor do novo pacote. "Estamos em discussões."

"Houve um estreitamento das linhas de crédito no Brasil, oriundo de uma crise importada. Mas, mesmo que não tenha sido uma crise construída localmente, sabemos que será severa. 2009 será um ano difícil e ninguém sabe quando exatamente é que a recuperação começará a dar sinais", alertou Mariante.

O representante do BNDES está em Genebra para um encontro da Organização Mundial do Comércio (OMC) que vai discutir a falta de financiamentos ao comércio. A OMC alerta que a redução no crédito impedirá que emergentes continuem exportando no mesmo ritmo dos últimos anos. Para a entidade, as linhas de crédito são "o coração do comércio".

Além do comércio, Mariante também confirmou que não está descartada a participação do BNDES no setor da construção. A entidade chegou a fazer uma proposta específica ao setor, que acabou sendo vetada pelo Ministério da Fazenda. Agora, a idéia é atuar ao lado da Caixa Econômica Federal, caso seja necessário. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG