Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vale vende ativos em alumínio por US$ 4,9 bi

A Vale assinou acordo com a produtora de alumínio norueguesa Norsk Hydro para a venda de ativos de alumínio e bauxita em uma operação que totaliza US$ 4,9 bilhões. Pelo acordo, todas as suas participações na Albras, Alunorte e Companhia de Alumina do Pará (CAP) serão transferidas para a Hydro por US$ 405 milhões em dinheiro mais uma dívida líquida de US$ 700 milhões que será assumida pela norueguesa.

AE |

A Vale assinou acordo com a produtora de alumínio norueguesa Norsk Hydro para a venda de ativos de alumínio e bauxita em uma operação que totaliza US$ 4,9 bilhões. Pelo acordo, todas as suas participações na Albras, Alunorte e Companhia de Alumina do Pará (CAP) serão transferidas para a Hydro por US$ 405 milhões em dinheiro mais uma dívida líquida de US$ 700 milhões que será assumida pela norueguesa. Outra parte será paga em ações ordinárias, que após oferta de ações a ser realizada futuramente pela Hydro, representará 22% do capital da companhia.

Como parte dessa transação, a Vale também criará uma nova empresa "Bauxite JV", para quem transferirá a mina de bauxita de Paragominas e todos os seus demais direitos minerários de bauxita no Brasil. Quando concluída a transação, a Vale venderá 60% desta empresa para a Hydro por US$ 600 milhões em dinheiro. A parcela remanescente de 40% será vendida em duas parcelas iguais de 20% em 2013 e 2015, por US$ 200 milhões em dinheiro cada.

O valor total do acordo, somando as duas operações e a troca de ações, está estimado em US$ 4,9 bilhões, segundo informou a assessoria de imprensa da Hydro no Brasil. Em comunicado, a empresa norueguesa diz que, com o acordo, a Hydro, que já detinha 34% de participação na Alunorte e 20% na CAP, assegura o suprimento de bauxita para sua produção pelos próximos 100 anos e consolida sua parceria com a Vale no mercado brasileiro. A assessoria de imprensa da Vale explica que a mineradora brasileira continuará no negócio de alumínio como segunda maior acionista na Hydro, atrás apenas do governo da Noruega, principal acionista.

Nos termos do acordo, a Vale receberá o equivalente a 22% do capital da Hydro e em troca vai transferir para a norueguesa 51% do capital total da Albras; 57% da Alunorte; 61% da CAP; e venderá 60% do capital total da "Bauxite JV", a empresa que será criada. Uma vez concluída a transação, a Vale ficará ainda com 40% de participação da "Bauxite JV", mas venderá também esta fatia até 2015.

No período de dois anos após a conclusão da transação, a Vale não poderá vender as ações ordinárias que vai receber da Hydro. Também como parte do acordo, não poderá aumentar sua participação na empresa norueguesa para além de 22%. Além disso, terá direito a um representante no Conselho de Administração, sujeito à aprovação pelos órgãos de governança da Hydro.

A transação foi aprovada pelo Conselho de Administração da Vale e da Hydro e anunciada neste domingo pelas duas empresas. A conclusão da transação dependerá ainda da aprovação dos acionistas da Hydro, incluindo o governo da Noruega e sócios da Vale nas empresas nas quais a participação será transferida para a Hydro. Uma vez que todas as aprovações requeridas sejam obtidas, espera-se que a transação seja finalizada no quarto trimestre deste ano.

Em comunicado ao mercado, o diretor de Relações com Investidores da Vale, Fabio Barbosa, diz que a companhia está bem posicionada no upstream da cadeia do alumínio, com ativos de classe mundial de bauxita e alumina. "No entanto, nossa participação na indústria de alumínio primário é pequena e sem potencial de crescimento devido a falta de acesso a fontes de energia de baixo custo", disse, lembrando que a energia é um fator fundamental para a competitividade nessa indústria.

Barbosa afirma, ainda, que a combinação dos ativos da Vale e da Hydro criará uma das maiores e mais competitivas companhias integradas de alumínio, com acesso a grandes reservas de bauxita, baixo custo de energia e know-how tecnológico. "Dado que a Vale permanecerá exposta ao negócio de alumínio por meio de uma participação acionária significativa na empresa combinada, acreditamos fortemente que essa transação criará substancial valor aos nossos acionistas", afirma o diretor.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG