Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vale responde exigência da CVM e emissão pode sair logo

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Vale respondeu às exigências da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e anunciou nesta quinta-feira que a oferta global de ações ocorrerá a partir de 4 de julho e será de até 256.926.766 ações ordinárias e 164.402.799 ações preferenciais. Mas a empresa não disse no comunicado quanto pretende arrecadar. Ao anunciar em junho a emissão, a Vale previa conseguir entre 14 e 15 bilhões de dólares.

Reuters |

O anúncio do volume de papéis que serão disponibilizados aos investidores indica ao mercado que a operação pode ocorrer a qualquer momento, apesar de as ações da companhia estarem valendo a metade do valor considerado justo por alguns bancos.

'Eles podem fazer agora e praticamente zerar a dívida para se preparar para compras maiores, não exatamente agora', disse o analista da SLW Corretora Pedro Galdi, avaliando que a empresa talvez tenha por objetivo melhorar a sua estrutura de capital para se alavancar mais no médio prazo.

Na avaliação de Galdi, a empresa deve se capitalizar nesse momento e aguardar dois trimestres de caixa forte após o aumento do minério de ferro para voltar a se endividar no mercado.

'Com isso ela ficaria com uma relação dívida/Ebitda favorável para pegar uns 50 bilhões (de dólares) para adquirir uma Freeport, por exemplo', avaliou o especialista.

Galdi estimou em 82 reais o preço justo para os papéis preferenciais da empresa, que no ano já caem mais de 12 por cento e estão cotados em cerca de 43 reais nesta quinta-feira.

As ordinárias registram queda de 11 por cento no ano e eram cotadas em torno dos 50 reais.

'Os papéis estão caindo por causa do cenário geral, o preço está atrativo por si só e pode voltar a subir se a bolsa melhorar', observou.

A Vale informou que já cumpriu as exigências solicitadas pela Comissão de Valores Mobiliários para fazer a emissão e que só depende do registro da operação da autarquia e de condições de mercado para realizar a oferta.

A emissão também permitirá o início da negociação das ações da mineradora na Bolsa de Paris.

'Se ela (Vale) quer ser global, tem que se listar em todos os lugares, é bom para a companhia', avaliou Galdi.

A emissão secundária da Vale poderá ser lançada 'em ou após 4 de julho', acrescentou a empresa em um comunicado nesta quinta-feira.

(Reportagem de Denise Luna e Renato Andrade)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG