Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vale rebate Usiminas sobre custo dos insumos para produção de aço

RIO - A Vale rebateu os dados contidos em informe publicitário divulgado pela Usiminas hoje em jornais de grande circulação. A mineradora afirma que os custos do minério de ferro e do carvão na produção de aço somam US$ 230 por tonelada de aço, valor inferior aos US$ 480 por tonelada alegados pela siderúrgica.

Valor Online |

No informe publicitário, a Usiminas alega que o país precisa buscar defesas contra o que considera "práticas desleais" e cita o valor de US$ 480 por tonelada para tentar ilustrar que siderúrgicas estrangeiras vendem aço para o Brasil a preços abaixo do custo de fabricação.

A mineradora utiliza para os cálculos o preço de benchmark do minério da Vale, que é de US$ 80,50 por tonelada (finos) e US$ 117 por tonelada (granulado), e o preço de contrato para 2009 do carvão metalúrgico, estimado em US$ 150 por tonelada. Para chegar ao custo de US$ 230 por tonelada, a Vale lembrou que para produção de uma tonelada de aço são necessárias 1,5 tonelada de minério de ferro e 0,62 tonelada de carvão.

"Desta forma, os problemas de competitividade da siderurgia brasileira não podem ser atribuídos ao custo das matérias-primas, ainda mais que a maioria dos produtores utiliza, parcial ou totalmente, minério de minas próprias", diz o comunicado da Vale.

O comunicado da Vale é a segunda manifestação de uma empresa brasileira contra o informe publicitário da Usiminas. Também hoje, a Transpetro criticou o teor do comercial e acusou a siderúrgica de produzir um "raciocínio torto" e de tentar criar uma reserva de mercado.

O conflito entre Transpetro e Usiminas começou depois que a siderúrgica ficou em 11º na licitação para o fornecimento de 42 mil toneladas de aço para navios que serão produzidos pelo estaleiro Atlântico Sul, no âmbito do Programa de Modernização da Frota. Segundo a Usiminas, os concorrentes vendem aço a preços abaixo do custo, enquanto para a Transpetro a siderúrgica tenta criar reserva de mercado no país.

(Rafael Rosas | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG