Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Vale e Petrobras podem desafiar fraqueza de Wall Street

O índice Bovespa abriu o pregão de hoje em baixa, refletindo o clima que predomina nas bolsas internacionais esta manhã. Às 11h05, o Ibovespa recuava 0,73% a 39.

Agência Estado |

256 pontos, na mínima. Mas o mercado doméstico pode absorver essa realização de lucros por conta da recuperação dos preços do petróleo, o que pode dar fôlego às ações da Petrobras. Além disso, os papéis da estatal, assim como as ações de Vale, podem se beneficiar do jogo em torno do vencimento mensal de opções na segunda-feira. Segundo o gestor gerente da Infinity Asset, George Sanders, ontem as duas blue chips oscilaram já refletindo o exercício de opções da próxima semana.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o petróleo era negociado com alta de 1,5%, na faixa de US$ 38,30 o barril às 11h08. O mercado aguarda a divulgação no começo da tarde, às 13h30, dos estoques semanais do petróleo dos Estados Unidos, que tende a influenciar as cotações, para cima ou para baixo.

Às 11h12, Petrobras PN operava estável, Petrobrás ON caía 0,28% e Vale PNA cedia 0,26%.

Os metais básicos são negociados em baixa na Bolsa de Metais de Londres (LME), com o mercado aguardando a divulgação de dados econômicos dos Estados Unidos. O indicador mais esperado desta quarta-feira nos EUA é o de vendas no varejo de dezembro, que deve mostrar um resultado fraco. A expectativa com o dado contribui para o sentimento de cautela nos EUA, onde o S&P 500 futuro recuava 1,24% e o Nasdaq futuro, -1%.

Nas principais bolsas europeias, as perdas são mais intensas, da ordem de 1,5% a 2%, contabilizando o sexto dia seguido no vermelho. O noticiário na região é ruim tanto do lado macroeconômico como corporativo. A produção industrial da zona do euro caiu 1,6% em novembro, ante outubro, e 7,7% ante o mesmo período em 2007. O setor financeiro também pesa, após o Morgan Stanley prever que o HSBC, maior banco da Europa em valor de mercado, vai precisar levantar até US$ 30 bilhões em capital e cortar dividendos, em resposta à potencial queda de seus lucros. Além disso, amanhã o Banco Central Europeu se reúne para decidir a nova taxa de juros.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG