Tamanho do texto

São Paulo, 20 - Apenas o Brasil e a Tailândia deverão registrar aumento na produção de açúcar na safra 2008/09, de acordo com relatório de oferta e demanda mundial de açúcar divulgado hoje pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). A previsão é de que a produção de açúcar do Brasil aumente de 32,1 milhões de toneladas para 32,45 milhões de toneladas, alta de 350 mil toneladas.

Deste total, 27,5 milhões de toneladas virá da região Centro-Sul e 4,95 milhões de toneladas do Norte/Nordeste. A exportação de açúcar do Brasil deve crescer 500 mil t para 20,3 milhões de t em relação à safra anterior.

O USDA estima que a produção de etanol do Brasil deve ficar em 26,85 bilhões de litros, alta de 4,46 bilhões de litros em relação à safra anterior. Deste total, 18,5 bilhões serão de hidratado e 8,35 bilhões de litros de anidro. A demanda interna por etanol deve bater em 22,45 bilhões de litros, alta de 3,48 bilhões de litros, impulsionada pelas vendas de carros flex fuel.

Na Tailândia, a expectativa é de que a produção total de açúcar fique em 7,9 milhões de toneladas, alta de 80 mil toneladas. Nos demais países asiáticos, a produção deve cair, totalizando uma queda regional de 6,6 milhões de toneladas para 62,5 milhões de t. A estimativa é de que a Índia reduza sua produção em 5,7 milhões de t para 22,9 milhões de t. A China deve reduzir sua produção em 113 mil toneladas para 15,8 milhões de toneladas. A União Européia irá reduzir sua produção em 814 mil toneladas e se transformar em um importador de açúcar. O volume estimado de importação do bloco em 2008/09 é de 2,3 milhões de t.

Diante deste cenário, o USDA está estimando uma queda de 7,9 milhões de toneladas na produção mundial para 158,8 milhões de t. O consumo mundial de açúcar deve ficar em 162,1 milhões de t, alta de 5 milhões de t em relação a safra anterior. As exportações mundiais devem totalizar 48,2 milhões de t, queda de 2,8 milhões de t. Os estoques mundiais devem cair 4,1 milhões de t para 38,6 milhões de toneladas. Com o aumento de consumo e a queda na produção e nos estoques, a relação entre estoque final sobre oferta total caiu de forma expressiva a nível global, de 17,01% em 2007/08 para 15,51% em 2008/09.