Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Um campuseiro prevenido vale por dois

Um campuseiro prevenido vale por dois Por Rodrigo Martins São Paulo, 21 (AE) - Uma semana longe de casa conectado à web a 10 gigabits por segundo. O que parece o paraíso para qualquer nerd pode se tornar um problema se o campuseiro não se preparar.

Agência Estado |

Não basta levar apenas o PC para a Campus Party Brasil, cuja segunda edição começou segunda-feira (19) e se estenderá até domingo (25). Além de acessórios para o computador e mídia gravável, colchonete, produtos de higiene e uso pessoal e outros itens básicos de sobrevivência trazem mais conforto e evitam imprevistos. Fora que, neste ano, o participante ficará praticamente ilhado, pois há pouco comércio no entorno do Centro de Exposições Imigrantes, no Jabaquara (zona sul de São Paulo).

Este repórter acampou na Campus Party em Valência (Espanha), em julho de 2007, e em São Paulo, em janeiro de 2008. Nesta edição, dá as dicas essenciais para quem quiser aproveitar ao máximo a festa, cujo maior atrativo, além da convivência com milhares de fanáticos por tecnologia, é uma internet até 10 mil vezes mais veloz do que a conexão de banda larga mais comum no Brasil. Segundo o estudo Barômetro Cisco Banda Larga, a conexão básica no País é de até 1 Mbps (megabits por segundo).

DORES NAS COSTAS? - Ao chegar, as únicas coisas que o campuseiro terá à disposição são a barraca - a organização garante que cada um terá a sua -, espaço na bancada para instalar seu PC e chuveiro. Só que você não vai dormir no chão duro, vai? E sabonete, toalha, xampu? Quanto de roupa deve levar? E se pintar uma dor-de-cabeça? A bagagem do campuseiro, como são chamados os participantes, não é pequena. Também não deve ser grande.

Coisas que muita gente não pensa, como uma almofada para a cadeira, podem fazer a diferença. "A cadeira é muito dura. Parece frescura, mas quando você fica horas direto na frente do computador, com uma cadeira desconfortável, começam as dores nas costas", diz o analista de suporte Paulo Guedes, de 32 anos, veterano da primeira Campus Party Brasil que repetirá a dose em 2009.

No quesito tecnologia, um computador em boas condições é a coisa mais importante, mas não é a única. Vai levar o celular e a câmera? Não esqueça o carregador e o cabo de dados. Pretende baixar um monte de arquivos? HDs externos são imprescindíveis para liberar espaço na sua máquina. DVDs e pendrives também são úteis.

E se não houver tomadas disponíveis para todas essas traquitanas? É bom ter um filtro de linha, que também é uma extensão elétrica.

O computador pode apresentar problemas e levar algumas peças extras, como um disco rígido extra, mais memória RAM e um cooler, pode salvá-lo de fazer uma viagem à Santa Ifigênia, no centro da cidade. "Pego peças mais velhas que não uso mais e levo para emergências", explica o funcionário público Mauricio Beltran, de 45 anos, também veterano.

SANTA IFIGÊNIA - Agora, se para salvar sua Campus Party for mesmo necessário dar um pulo à meca dos eletrônicos em São Paulo, pegue a van do Espaço Imigrantes até o metrô Jabaquara e, de lá, a linha de trem no sentido Tucuruvi. Desça na estação São Bento e ande pelo Viaduto Santa Ifigênia. Pronto. O percurso dura cerca de 45 minutos.

Ir de carro à Campus Party é possível e permite maior mobilidade e economia de tempo tanto para ir a centros comerciais mais movimentados, como a Av. Ricardo Jaffet, quanto regiões próximas, como Moema, Ipiranga ou Santa Cruz.

Mas o problema é pagar o estacionamento. O pacote de uma semana com o carro parado em frente ao Centro Imigrantes custava R$ 100.

Para ajudá-lo a enfrentar uma semana no mega acampamento nerd, leia com cuidado os textos desta página. Na próxima, preencha o "check list" e veja também dicas de como se comportar para evitar problemas.


- Os repórteres do ‘Link’ Rodrigo Matins e Juliana Rocha acamparam na Campus Party. Procure-os por lá.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG