Bruxelas - O presidente da Comissão Europeia (CE), José Manuel Durão Barroso, e o presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, anunciaram nesta terça-feira que aumentarão sua cooperação para evitar que as crises do gás com a Rússia se transformem em um evento anual.

A UE está disposta a facilitar o acesso da Ucrânia ao acordo energético da CE e apoia a realização de uma conferência no dia 23 de março em Bruxelas para estudar como melhorar o trânsito de gás por território ucraniano, afirmou Barroso ao final de um encontro com Yushchenko.

Por outro lado, o presidente ucraniano disse que a recente crise do gás que afetou vários países da CE não foi um problema de passagem, mas de fornecimento.

Barroso afirmou que não questiona as intenções nem da Ucrânia nem da Rússia, mas destacou o fato objetivo da interrupção do fornecimento de gás para a UE por causa de uma disputa comercial bilateral.

Segundo o presidente da CE, o episódio diminui a credibilidade dos dois.

Barroso se mostrou satisfeito com o fato de Yushchenko ter reafirmado as intenções ucranianas de cumprir o contrato sobre os preços do gás e as tarifas de passagem assinado com Moscou, apesar de não estar "muito contente" com os termos do mesmo.

O presidente ucraniano afirmou que todos aprenderam lições com o episódio e encorajou os consumidores europeus a continuarem confiando em seu país como território de passagem, pois é "um dos mais seguros da Europa".

Yushchenko se mostrou decidido a fazer todo o possível para melhorar este trânsito e cooperar com a UE para o conseguir e convidou a CE a manter monitores nas instalações ucranianas.

Leia mais sobre gás

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.