Genebra, 26 jul (EFE).- A União Européia (UE) apresentará amanhã uma proposta de acordo para a Rodada de Doha que seja capaz de desbloquear o processo, anunciou o comissário de Comércio europeu, Peter Mandelson.

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o francês Pascal Lamy, apresentou ontem um projeto de acordo, que inicialmente teve o apoio de seis dos sete principais negociadores - Brasil, Austrália, China, Estados Unidos, Índia e mais a União Européia -, mas que foi rejeitado por Nova Délhi.

Hoje, foi a vez de os ministros da UE rejeitarem a proposta, com o argumento de que ela não é equilibrada.

Entre os países que mais a rejeitam estão França, Irlanda e Itália, que estão preocupadas com o alcance das concessões agrícolas contidas no texto.

A proposta apresentada por Lamy inclui um corte nas ajudas agrícolas que desequilibram o comércio, o que, no caso da UE, só afetaria uma parte de suas subvenções.

O projeto prevê ainda reduções de até 70% em tarifas impostas a produtos, as quais são maiores nos países desenvolvidos.

Para expor sua rejeição ao projeto, a UE decidiu criar uma nova proposta, que será apresentada amanhã, quando os 30 países que negociam há seis dias o desbloqueio da Rodada de Doha voltarão a se reunir.

Mandelson deixou claro que o desbloqueio já não existe mais, uma vez que as partes pararam de falar sobre chegar a um acordo e começaram a redigi-lo.

O comissário europeu disse ainda que, como está comprometida com o sucesso da rodada, a UE vai apresentar uma minuta de acordo que seja equilibrada nas áreas de agricultura e bens industriais.

No entanto, o comissário quis esclarecer que (o acordo) "ainda está longe de ser fechado" porque faltam discutir assuntos fundamentais, entre eles o da banana, o dos produtos tropicais, o do algodão e o do esgotamento das preferências, os quais estão sendo intensamente discutidos em grupos setoriais. EFE mh/fh/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.