Consultores internacionais que visitaram a Usina Hidrelétrica de San Francisco revelaram ao Estado que foram identificados oito pontos de ruptura no túnel de 11,2 quilômetros da usina. Houve desprendimento de pedaços de rochas e buracos foram abertos, com queda de fragmentos rochosos.

De acordo com os consultores, os oito pontos estão localizados no trecho de 8,4 quilômetros em que o duto foi aberto com a ajuda de máquina shield, semelhante ao tatuzão usado na construção do metrô. Esse espaço fica na área central da tubulação de sete metros de diâmetro. Num dos lados, 1,8 quilômetro foi aberto com a ajuda de explosivos, mesmo método empregado em 1 quilômetro no outro extremo.

A Odebrecht passou a colocar vigas metálicas nesses buracos abertos após o esvaziamento da água do túnel. Por sobre as vigas são fixadas malhas metálicas e o espaço, preenchido com concreto projetado. Em alguns pontos será necessário colocar cambotas (estruturas metálicas), tirantes (pinos gigantes de fixação) e até mesmo aduelas (estrutura de concreto que forma um revestimento). Também estão sendo feitos reparos nas turbinas e outros equipamentos da usina.

A data prevista para concluir os reparos - 4 de outubro - poderá atrasar, por causa de dificuldades no trabalho de contenção das falhas geológicas detectadas nos oito pontos que desabaram. Tais dificuldades, dizem os técnicos, são originadas pela presença de soldados do Exército equatoriano no local, onde trabalham 300 operários. Hoje, 80% do trabalho já foi realizado.

A parada programada de manutenção da usina aconteceu no dia 6 de junho. Técnicos da Odebrecht só entraram no duto 15 dias depois. As duas caixas de retenção de sedimentos construídas no local - com 7 metros de largura, 8 de comprimento e 2,5 de profundidade - estavam cheias de pedras e lama.

Os técnicos que visitaram San Francisco dizem que há muito material proveniente da erupção do vulcão Tungurahua, que chegou ao local levado pelas águas do Rio Pastaza. O vulcão teve forte erupção no dia 16 de agosto de 2006, espalhando cinzas por toda a região. "A usina está preparada para operar com água contendo até 400 partes por milhão (PPM) de sedimentos. A análise da água mostra que existem até 14 mil PPM", explicou um engenheiro que visitou o duto há duas semanas.

Não existe um equipamento específico para impedir que o material originado do vulcão entre na tubulação. Há apenas o que se chama de caixa desarenadora, que tem a função de reter o material sólido existente na água. Essa barragem recebe a água vinda de outro túnel, da Usina de Aguyan. A Odebrecht não se pronunciou sobre os comentários dos especialistas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.