A empresa de comunicação Tribune Company, de Chicago, nomeou o ex-presidente-executivo do provedor de televisão por satélite DirectTV como publisher do Los Angeles Times, afirmou o jornal californiano em sua edição de sábado. Eddy Hartenstein tomará conta do maior jornal do grupo Tribune, como parte de uma nova estratégia de trazer talentos de outras indústrias para salvar um negócio doente.

Hartenstein, de 57 anos, vai substituir David Hiller, que renunciou ao cargo de publisher em julho. Executivos do grupo Tribune e do Los Angeles Times, bem como Hartenstein, não estavam disponíveis para comentar a notícia.

O Los Angeles Times, assim como a maioria dos jornais americanos, tem se esforçado para sobreviver em um cenário de queda nas receitas com propaganda, conseqüência dos problemas enfrentados pela economia do país e também da migração de leitores para a internet.

A Tribune - que no começo da semana anunciou uma queda de 15% nas suas receitas com propaganda em jornais - trouxe executivos das áreas de rádio e televisão para dar uma sacudida na empresa e tirá-la de um estado que seu novo dono, Sam Zell, chama de "cultura da complacência".

Magnata do setor imobiliário, Zell levou para a Tribune executivos como Randy Michaels, ex-presidente executivo da Clear Channel Communications, e Lee Abrams, ex-diretor de criatividade da rádio via satélite XM.

Zell adquiriu as ações da Tribune no ano passado, em um negócio de US$ 8,2 bilhões que resultou no fechamento do capital da companhia e a deixou bastante endividada. De acordo com os resultados financeiros do segundo trimestre, divulgados na semana passada, o endividamento do grupo é de US$ 12,5 bilhões.

Para equacionar essa dívida, o grupo Tribune tenta vender ativos como o time de beisebol Chicago Cubs e também a casa onde fica a sede do clube, Wrigley Field. O grupo já vendeu 97% das ações do diário Newsday, de Long Island, New York, para a Cablevision Systems Corp, que tem sede em Long Island.

Até o momento, a companhia não revelou o que fará com o jornal Los Angeles Times. De acordo com a imprensa americana, dentre os possíveis interessados em comprar o jornal está o produtor cultural David Geffen, mas fontes no grupo Tribune indicam que Zell deverá manter o jornal.

Enquanto isso, o Tribune enfrenta a queda nas receitas com demissões. Em fevereiro, o grupo anunciou um corte de pessoal de 400 a 500 pessoas, equivalente a 2% dos funcionários do grupo. Os cortes atingiram o pessoal administrativo e as redações dos jornais. Com as demissões, o Tribune segue os passos de outras empresas de mídia, que recentemente realizaram cortes: Gannett Co Inc, The New York Times e The Washington Post Co.

Tida como a maior empresa de mídia americana que tem os seus empregados como sócios, a Tribune possui negócios nas áreas de editoração (jornais), interatividade (internet) e telecomunicação. Ao todo são nove jornais, incluindo Los Angeles Times e Chicago Tribune, e 23 canais de televisão, rádios e o clube de beisebol Chicago Cubs.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.