Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Três setores lideram movimento rumo ao exterior

Os setores de mineração, alimentação e siderurgia foram os líderes no movimento das empresas brasileiras rumo ao exterior - liderança em parte explicada, segundo analistas pela escalada no preço das commodities, em especial minérios e aço. Tirando proveito desse cenário, a Gerdau, por exemplo, ampliou fortemente sua presença global.

Agência Estado |

A siderúrgica, que liderou em 2006 e 2007 o ranking da Fundação Dom Cabral das empresas brasileiras mais internacionalizadas, iniciou sua caminhada pela América Latina, expandindo-se para a Europa e Estados Unidos.

Outra protagonista desse processo foi a Vale. A empresa vinha realizando nos últimos três anos aquisições de diversas companhias do setor, sendo a mais importante delas a da canadense Inco, produtora de níquel. Esse negócio, de cerca de US$ 18 bilhões, permitiu que a mineradora saltasse, em 2006, da quarta posição no ranking mundial das mineradoras para a segunda colocação.

As últimas declarações feitas pela diretoria da empresa, no entanto, sinalizam que novas aquisições no exterior não são prioridade, neste momento. A empresa, na verdade, já anunciou férias coletivas e demissões. "O inverno não chegava, não chegava, não chegava...chegou", disse recentemente o presidente da Vale, Roger Agnelli.

O consultor da Inter-B e ex-economista do Banco Mundial, Cláudio Frischtak, aponta a incapacidade de se projetar consumo e preço de produtos e commodities como um dos maiores vilões de quem ainda quer apostar no exterior. "O maior problema hoje é fazer a avaliação dos ativos. Como saber se o que está sendo pago é justo? A crise traz uma grande dose de imprevisibilidade, o que impede que se projete, por exemplo, o preço de um produto daqui a alguns meses ou anos. Sem isso, não há como se calcular taxas de retornos dos investimentos."

Frischtak chama a atenção, porém, para um trunfo que a maior parte das empresas globais brasileiras tem como escudo. "Muitos dos negócios feitos no exterior foram realizados em países emergentes", diz. "E esses países estão sendo menos afetados pela crise."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG