RIO - A Transpetro vai esperar até o dia 15 de agosto para que seja resolvido o impasse entre o consórcio Rio Naval e os donos das instalações do antigo estaleiro Ishibrás. O consórcio venceu a licitação da primeira fase do Programa de Modernização da Frota (Promef) da subsidiária de transportes da Petrobras para construir nove petroleiros, mas enfrenta um impasse com a Inepar Administração e Participações (IAP) e a Fator Empreendimentos a respeito do aluguel para usar a área do estaleiro.

Enquanto o impasse não for resolvido, a construção das embarcações, estimada em US$ 1,1 bilhão, não começa.

O presidente da Transpetro, Sérgio Machado, garantiu que a estatal não tomará parte nas discussões entre os envolvidos e ressaltou que, apesar da data-limite com que a empresa trabalha, ainda não há definição sobre um plano B, caso a negociação não chegue a bom termo.

Tudo o que posso garantir é que os navios serão construídos no Brasil, ressaltou. Na primeira fase do Promef, a Transpetro licitou 26 embarcações, sendo que apenas o lote de 10 navios do tipo Suezmax que serão construídos em Pernambuco pelo estaleiro Atlântico Sul já tiveram parte do aço contratada.

Mesmo assim, Machado garantiu que os quatro navios que estão a cargo do estaleiro fluminense Mauá e os três gaseiros licitados ao catarinense Itajaí ficarão prontos dentro do prazo. Segundo o executivo, os problemas de seguro que envolviam o contrato com o Mauá foram resolvidos, enquanto o Itajaí - que passou a ser controlado pelo grupo Elcano - deve ter em breve aprovação para receber recursos do Fundo de Marinha Mercante (FFM) que possibilitarão o início das obras.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.