Tamanho do texto

O transporte aéreo de passageiros no mercado doméstico registrou queda de 3,9% em outubro em relação ao mesmo mês do ano passado, apesar de um aumento de 8,3% na oferta de assentos. É o pior desempenho desde janeiro de 2003, quando o fluxo de passageiros transportados recuou 7,5%.

Foi também a primeira redução de demanda desde agosto do ano passado, quando o índice teve retração de 3,7%. Além disso, nos vôos ao exterior, o crescimento de 14,8% no mês passado é o resultado mais fraco do ano, iniciado com uma expansão de 55,1% em janeiro.

Para especialistas, são provas de que a crise chegou ao setor aéreo. “Há 43 anos eu verifico esse fenômeno na aviação: o transporte aéreo começa a notar a retração antes da economia. O passageiro suspende a viagem porque o volume de negócios vai cair”, afirma o consultor aeronáutico Paulo Bittencourt Sampaio. De janeiro a outubro, o volume de passageiros transportados no País acumula crescimento de 8,6% e de 13,1% de expansão na oferta de assentos. No mesmo período, o mercado internacional registra expansão de 34,1%, com alta de 20,6% de lugares nos aviões.

A TAM segue na liderança dos vôos nacionais, posto alcançado em agosto de 2006, com participação de 51,77% e crescimento de 7,3% no fluxo de passageiros transportados em outubro. A Gol, na segunda posição desde maio de 2005, teve 35,23% do mercado, mas teve queda de 20% na demanda. “A crise bateu mais forte na Gol, que aumentou as tarifas para ter uma rentabilidade igual à da TAM. Só que o serviço de bordo da TAM é muito melhor, o que contribuiu para absorver os passageiros da Gol”, afirmou Sampaio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.