Tamanho do texto

Centenas de trabalhadores participaram de manifestações ligadas ao Dia Nacional de Luta pelo Emprego e Salário em diversas cidades do Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira. Organizados pelos sindicatos de metalúrgicos e pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), os manifestantes foram fazer discursos e entregar panfletos na porta de fábricas em Santa Rosa, Pelotas, Canoas, Sapucaia do Sul, Passo Fundo e Porto Alegre.

Na capital gaúcha, um grupo ficou no acesso ao terreno da sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) durante cerca de uma hora, no início da tarde. O presidente regional da CUT, Celso Wojciechoswki, disse que os sindicatos querem discutir a manutenção da atividade econômica com o governo e os empresários. Admitiu que os trabalhadores podem negociar jornadas mais flexíveis, banco de horas e férias coletivas, mas não aceitam demissões e redução de direitos sociais.

Depois da manifestação, representantes dos trabalhadores foram à Assembleia Legislativa entregar ao presidente da Casa, Ivar Pavan (PT), a proposta de criação de um fórum para tratar das reações às consequências da crise financeira internacional no Estado. A Federação dos Metalúrgicos estima que 5,7 mil trabalhadores da categoria tenham perdido seus empregos no Rio Grande do Sul desde outubro de 2008.