Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Toyota aposta em mudanças após vender menos em 2008

Tóquio, 20 jan (EFE).- A montadora japonesa de automóveis Toyota anunciou hoje uma queda de 4% suas vendas em 2008 -que, ainda assim, devem superar as da General Motors- e uma remodelação de sua estrutura empresarial que começa uma mudança de geração na empresa, a maior do Japão.

EFE |

Apesar de ter começado com o pé direito, 2008 será lembrado como um ano negro na história da Toyota e no qual ela admitiu suas primeiras perdas operacionais desde sua criação, em 1937.

Após vender 4% a menos do que em 2007, a empresa se viu obrigada a abandonar por tempo indefinido seus objetivos de venda de 10 milhões de veículos anuais, conformando-se a vender 8,97 milhões no ano que se passou.

Apesar da redução das vendas, que no mercado interno japonês foi ainda maior, de 5%, a Toyota deve manter seu primeiro posto mundial no ranking de fabricantes de veículos, à frente da GM, que anuncia amanhã suas vendas anuais.

Segundo afirmou o ano passado o atual presidente da Toyota, Katsuaki Watanabe, as crises motivam a companhia e, desta vez, o fabricante apostou na mudança.

Com o previsível apoio da Junta Anual de Acionistas e da Junta Direção no final de junho, Akio Toyoda, de 52 anos, até agora vice-presidente da companhia, assumirá a Presidência da empresa.

Trata-se de uma mudança de geração, já que além de ser mais jovem que o presidente anterior -Watanabe, de 66 anos-, o eleito é membro do clã fundador da companhia.

Neto do fundador da Toyota, Kiichiro Toyoda, e filho mais velho do presidente de honra da Toyota Motor, Shoichiro Toyoda, será o primeiro deste clã à frente da companhia desde 1995, quando seu tio Tatsuro Toyoda deixou a Presidência.

Por sua parte, Watanabe passará, em junho, a ser vice-presidente sem poderes de representação da companhia, enquanto o atual presidente sem poder do gigante, Fujio Cho, conservará seu posto atual de "chairman".

A mudança foi recebida com otimismo na Bolsa de Tóquio onde, apesar da queda de 2,31% do índice Nikkei, as ações de Toyota subiram no mesmo patamar de 2,31%.

O gigante subiu na bolsa apesar do anúncio da queda das vendas em 2008 -devido à menor demanda nos principais mercados- e das especulações sobre possíveis cortes adicionais de empregados.

Segundo o jornal "Nikkei", a companhia planeja demitir mais de 5 mil trabalhadores temporários até o final de março e inclusive considera a possibilidade de reduzir a zero o número deste tipo de empregados neste ano.

Esta será a primeira vez desde 1996 que a companhia elimina seus trabalhadores temporários, que atualmente são 8.800, de um elenco que supera os 300 mil.

A notícia segue a linha dos anúncios do fim de 2008 dos principais fabricantes de carros do país, que incluíram várias paralisações temporárias de fábricas, reduções de produção e até reduções salariais e de elenco.

Ninguém imaginava que 2008, o ano em que Toyota finalmente superou em vendas seu eterno rival, a americano GM, passaria a ser um dos piores da companhia.

Após se transformar em janeiro no primeiro fabricante de carros do mundo, em maio Toyota anunciava um novo lucro líquido recorde durante o ano fiscal de 2007, que terminou em março de 2008.

No entanto, nem tudo foram louros e a companhia ponderou já então que os resultados de 2008 não seriam tão favoráveis.

Em meados do ano passado, a Toyota estabeleceu metas de lucro recorde, com um enfraquecimento econômico que já tornava a situação mais complicada e que, no final de 2008, se transformara na pior crise econômica do século.

As previsões de vendas foram revisadas para baixo, acompanhadas pela queda da demanda e o fortalecimento do iene em relação ao dólar.

Finalmente, à Toyota não sobrou opção além de que seguir reduzindo paulatinamente suas previsões de lucro, até chegar a anunciar suas primeiras perdas por operações -em sua atividade ordinária- neste ano fiscal, um revés inédito. EFE icr/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG