Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Tim terá R$ 1,51 bi do BNDES

A operadora de telefonia celular TIM obteve ontem do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a primeira linha de limite de crédito - uma espécie de crédito pré-aprovado - para o setor de telecomunicações, com limite de R$ 1,51 bilhão. O montante, que pode ser sacado gradualmente, financiará parte dos investimentos previstos pela empresa para a ampliação e modernização de suas redes GSM e 5G, entre 2009 e 2013.

Agência Estado |

Em meio à turbulência financeira e à escassez de crédito internacional, a aprovação do limite veio em boa hora para a TIM. "Com esta linha ficamos em uma situação mais confortável. Não há necessidade urgente de se tomar outro crédito ou linha", afirma Rogério Tostes, do departamento de Relação com Investidores da TIM.

Com o financiamento garantido, Tostes diz que a empresa não pensa em rever seus investimentos para os próximos anos. De acordo com o plano de investimentos da TIM, serão desembolsados R$ 7,2 bilhões entre 2008 e 2010 no País, dos quais R$ 1,3 bilhão foram destinados, este ano, à compra da licença para operar a tecnologia 3G. "O restante é voltado para a expansão e a modernização", diz.


O diretor do Departamento de Telecomunicações do BNDES, Alan Fischler, também não acredita que a crise forçará mudanças de planos nas empresas de telefonia do País. "O setor continua do jeito que estava no Brasil. Não acredito que os investimentos sejam alterados. O que pode ocorrer é uma dificuldade maior das empresas em adquirir crédito fora do BNDES", avalia ele.

O diretor acrescenta que, ao pedir crédito ao banco, as empresas se comprometem a cumprir metas de conteúdo nacional em seus investimentos. "O que é muito bom para a indústria nacional", ressalta. O setor de telecomunicações do BNDES tem carteira ativa de projetos financiados que totalizam R$ 17,9 bilhões, incluindo investimentos em expansão da rede, modernização de equipamentos e utilização de novas tecnologias. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG