Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Thyssen diz que ‘teve de aceitar’ novos preços do minério

Um porta-voz da ThyssenKrupp Steel Europe, unidade da siderúrgica alemã ThyssenKrupp, informou ontem que a companhia "teve de aceitar" aumentos de até 100% dos preços do minério, dependendo da qualidade da commodity. O acordo, segundo ele, ficou em linha com os que as siderúrgicas da Ásia já fecharam com as mineradoras.

AE |

Um porta-voz da ThyssenKrupp Steel Europe, unidade da siderúrgica alemã ThyssenKrupp, informou ontem que a companhia "teve de aceitar" aumentos de até 100% dos preços do minério, dependendo da qualidade da commodity. O acordo, segundo ele, ficou em linha com os que as siderúrgicas da Ásia já fecharam com as mineradoras. O porta-voz afirmou também que o acordo vale a partir de 1.º de abril e vence no segundo trimestre. Mais tarde, a companhia alertou que a mudança do tempo de vigência contratual aumenta o espaço para a manipulação de preços e para a volatilidade no setor. A companhia acrescentou que a "a frágil recuperação econômica na Alemanha" pode sofrer um "forte revés" com essa mudança e com o aumento do preço do minério. "A renúncia aos contratos anuais em favor de contratos de prazo mais curto vai resultar em aumento da volatilidade de preços e na redução da confiabilidade no planejamento", disse a companhia. A Thyssen acrescentou que teme que os acordos de fornecimento de matérias-primas, como minério de ferro e carvão, podem fazer com que essas commodities fiquem sujeitas a uma maior especulação financeira. Isso deve ser evitado, disse a siderúrgica, e é preciso que as autoridades de concorrência em todo o mundo examinem o mercado. Vale. A Thyssen não citou o nome de nenhuma mineradora. Mas reportagem publicada ontem no Estado informou que a Vale já concluiu as negociações para reajuste do preço do minério com todos os seus clientes, dentro e fora do Brasil. As siderúrgicas aceitaram o aumento de cerca de 100% para o minério desde o primeiro dia de abril. E, a partir de agora, esses preços serão revisados a cada três meses.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG