As contas do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) apresentaram em setembro um superávit primário de R$ 6 bilhões, ante R$ 6,257 bilhões em agosto. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o superávit primário mostrou forte crescimento, já que naquele mês houve superávit de apenas R$ 38,7 milhões.

O Tesouro registrou em setembro um saldo primário de R$ 13,564 bilhões, enquanto a Previdência registrou déficit de R$ 7,416 bilhões e o Banco Central apresentou déficit de R$ 139 milhões. O superávit primário não leva em conta os gastos com pagamento de juro da dívida pública.

De acordo com os dados divulgados hoje pela Secretaria do Tesouro Nacional, o resultado de setembro refletiu, por um lado, incremento da receita líquida do governo central. Esse aumento é explicado pela elevação das receitas do Tesouro e pela redução sazonal das transferências a Estados e municípios.

A receita do governo central apresentou, de janeiro a setembro, um crescimento bem maior do que as despesas. Pelos dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional, as receitas cresceram 18,39% em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto as despesas registraram uma expansão de 10,98%.

No ano passado, as receitas no mesmo período estavam crescendo a um ritmo de 12,2% em comparação a 2006 e as despesas, 12,9%. Os dados do Tesouro mostram que as despesas de capital (investimento) tiveram de janeiro a setembro um crescimento de 46%. O total de investimentos pagos, no período, somou R$ 18,247 bilhões ante R$ 12,495 bilhões no mesmo período de 2007.

As despesas com o Projeto Piloto de Investimento (PPI) apresenta no ano crescimento de 85% ante o mesmo período de 2007. As despesas com PPI, que são projetos prioritários, somaram R$ 5,045 bilhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.