Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Tesouro Direto vende R$ 189,9 milhões em janeiro

O Tesouro Nacional informou hoje que o Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por parte de pessoas físicas pela internet, vendeu em janeiro um montante financeiro de R$ 189,9 milhões, o segundo maior volume mensal desde a criação do programa em 2002. Esse valor, segundo nota à imprensa, é 47,9% superior ao observado em janeiro de 2008.

Agência Estado |

No mês passado, segundo o Tesouro, o destaque foi a elevada demanda por títulos prefixados (LTN e NTN-F), cuja participação atingiu 51,7%, sendo as LTN os títulos mais vendidos no mês, com participação de 36,4% do total, à frente das NTN-F com 15,3%. Em segundo lugar, os títulos indexados ao IPCA (NTN-B e NTN-B Principal) atingiram 31,9% das vendas.

O número total de investidores cadastrados ao fim do mês de janeiro atingiu 149.062, o que representa incremento de 40,4% nos últimos doze meses. Só em janeiro foram cadastrados 3.123 novos investidores, sendo que o valor médio por operação foi de R$ 16.144,04, informa a nota do Tesouro.

A utilização do programa por pequenos investidores pode ser observada pelo elevado volume de vendas na faixa de aplicação de até R$ 5 mil, que concentrou 62,2% do volume total aplicado no mês.

O estoque total do Tesouro Direto alcançou no mês passado o valor de R$ 2,5 bilhões (incremento de 76,4% sobre janeiro de 2008). Em janeiro deste ano, os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 43,9% (39,7% para as NTN-B e NTN-B Principal e 4,2% para as NTN-C). Na sequência, aparecem os títulos prefixados, com participação de 35,8%, destacando-se as LTN com 22,2% do estoque total. Finalmente, a participação dos títulos indexados à Taxa Selic foi de 20,3% no mês.

O Tesouro Direto foi implementado pelo Tesouro Nacional em conjunto com a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC) em 7 de janeiro de 2002. Os objetivos do Tesouro são democratizar o acesso para investimentos em títulos federais, incentivar a formação de poupança de longo prazo e facilitar o acesso às informações sobre a administração e a estrutura da dívida pública federal brasileira.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG