Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Tesoureiro acusado de cobrar comissão é defendido pelo PT

BRASÍLIA - O PT segue disposto a manter João Vaccari no cargo de tesoureiro apesar da nova onda de acusações publicadas pelo dirigente no fim de semana. Reportagem de capa da revista Veja traz o relato do depoimento que supostamente teria sido dado à Procuradoria Geral da República pelo doleiro Lúcio Funaro, acusado no inquérito do mensalão e depoente no esquema de delação premiada.

Valor Online |

Neste depoimento, Funaro identifica Vaccari como o responsável pelo recolhimento de comissões junto a bancos para que neles fossem efetuados investimentos dos fundos de pensão. Essas comissões seriam repassadas aos cofres do partido para abastecer o mensalão. A corretora de Funaro é citada no inquérito. A instituição é acusada de comprar informações privilegiadas para operar no mercado.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) saiu em defesa de Vaccari com a afirmação de que não há processo cível ou ciminal contra Vaccari. " Ele nunca foi responsável por finanças de campanha, mas do partido " , diz Vaccarezza. De acordo com Francisco Campos, chefe de gabinete da Presidência do PT, não está em jogo a permanência de Vaccari no cargo de tesoureiro. Ambos dizem que o partido não se mobilizou para discutir o assunto. " Estamos satisfeitos com as respostas dadas pelo Vaccari e confiamos plenamente em seu trabalho " , diz Campos.

Em nota, Vaccari refuta a veracidade do depoimento. Diz a nota: " O Ministério Público Federal, a quem foi prestado o depoimento, não considerou as acusações minimamente consistentes, tendo em vista que não houve qualquer desdobramento em relação a mim. Passados cinco anos, nunca fui chamado para prestar esclarecimentos ao Ministério Público Federal. Nem mesmo fui informado da existência ou do teor desse depoimento. O Ministério Público não propôs ação contra mim. Nenhuma denúncia foi apresentada "
Vaccari é investigado pelo Ministério Público de São Paulo por supostamente desviar recursos da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) para as campanhas eleitorais do PT, acusação que ele nega. A Bancoop também recebeu aporte de recursos dos fundos de pensão. Essa operação é alvo de outro inquérito, este conduzido pela Polícia Federal.

Segundo o doleiro, Vaccari agia sob o comando do ex-chefe da Casa Civil, José Dirceu. Ontem, Dirceu, em seu blog, refutou a denúncia: " O Ministério Público Federal não considerou as acusações minimamente consistentes. Passados cinco anos, João Vaccari não foi sequer chamado para prestar esclarecimentos ao MPF. Nem mesmo foi informado da existência do teor de tal depoimento. Vale lembrar que o instrumento da delação premiada tem sido questionado pelos estudiosos do Direito quanto a sua eficácia para a apuração correta dos fatos "
Ontem, o jornal " Folha de S.Paulo " publicou reportagem sobre a resposta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao questionário encaminhado pelo Ministério Público Federal no inquérito que apura o mensalão. Segundo o jornal, Lula reconhecerá, pela primeira vez, ter sido alertado em março de 2005 pelo então presidente do PTB, Roberto Jefferson, do mensalão. A oposição quer aguardar a oficialização do depoimento de Lula, mas adianta que ele pode trazer uma revelação grave. " Se o presidente confirmar aquilo que negou antes, será inexplicável e comprometedor " , disse o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra.

(Danilo Farielo e Luiza de Carvalho | Valor)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG