Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Tensão com setor financeiro volta a deprimir bolsas de Nova York

SÃO PAULO - O clima continuou tenso hoje em Wall Street e as bolsas reforçaram a trajetória de queda. O setor financeiro continua sendo uma preocupação e os agentes dão ainda mais peso para comentários e projeções para o setor. Além disso, a alta da inflação no atacado, divulgada hoje, também sustentou o mau humor.

Valor Online |

O industrial Dow Jones fechou em queda de 1,14%, aos 11.348 pontos. O Standard & Poor´s 500 encerrou aos 1.266 pontos, com baixa de 0,93%, e o eletrônico Nasdaq perdeu 1,35%, para 2.384 pontos.

Os papéis de bancos e financeiras, que já haviam caído bastante ontem, voltaram a apontar perdas substanciais. As ações da seguradora AIG tombaram 5,66% (US$ 20,38) e as da empresa de cartões de crédito American Express cederam 3,20%.

As ações do Bank of American declinaram 4,16% (US$ 28,08) e as do J. P. Morgan Chase cederam 3,16% (US$ 35,58). As financeiras Freddie Mac e Fannie Mae, que haviam puxado as perdas ontem, viram seus papéis desacelerarem um pouco o ritmo de perdas. As ações da Fannie Mae caíram 1,48% (US$ 6,01) e as da Freddie Mac perderam 5,02% (US$ 4,17).

Depois de notícias, ontem, dando conta de que o Lehman Brothers poderia reportar perdas adicionais, hoje outra reportagem do Wall Street Journal trouxe informações de que o banco estaria procurando vender parte de seus negócios. As ações da instituição caíram 13,04% (US$ 13,07).

Hoje os investidores receberam com preocupação os comentários do ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Kenneth Rogoff. Segundo ele, a crise financeira global ainda deve piorar e pode levar à quebra de um grande banco dos Estados Unidos dentro de meses. Em conferência em Cingapura, Rogoff, que é hoje professor em Harvard, disse acreditar que o pior ainda está por vir.

Ao mesmo tempo, indicadores econômicos nos Estados Unidos contribuíram para elevar o desconforto. O índice de de preços ao produtor no país avançou 1,2% em julho, acima do esperado.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG