SÃO PAULO - A Telefônica anunciou hoje o início dos testes da tecnologia de banda larga sem fio no padrão conhecido pela sigla WiMax. O projeto-piloto terá início amanhã, com 150 clientes nos bairros de Pinheiros e dos Jardins, na cidade de São Paulo.

"O objetivo é avaliar o desempenho da rede e dos serviços e avaliar a receptividade da tecnologia", afirmou o vice-presidente de estratégia e regulamentação da operadora, Maurício Giusti.

O projeto será desenvolvido em parceria com a fornecedora de equipamentos Motorola e a fabricante de semicondutores Intel - que é uma das principais incentivadoras do WiMax em todo o mundo.

Nos testes, a Telefônica vai oferecer aos clientes acesso à internet com velocidade de 2 megabits por segundo (Mbps). Por enquanto, o serviço será gratuito.

A rede WiMax da Telefônica utiliza as freqüências de 2,5 gigahertz (GHz) que eram da TVA. No ano passado, a operadora de telefonia adquiriu parte dos ativos de TV a cabo e a totalidade dos ativos de MMDS (microondas) da empresa de televisão por assinatura.

É justamente com a faixa de MMDS que a Telefônica quer oferecer banda larga. A TVA tinha licenças semelhantes também no Rio de Janeiro, em Porto Alegre e Curitiba, onde o início dos testes dependerá dos resultados do piloto em São Paulo.

Segundo Giusti, o WiMax complementa outras formas de acesso à internet oferecidas pela Telefônica. Na própria região onde será feito o teste, a operadora disponibiliza conexões de banda larga por meio da rede de telefonia convencional e por fibra óptica. "Mas mesmo nessa área existem locais onde a gente tinha dificuldade de oferecer cobertura. Queremos aproveitar o WiMax para chegar a esses locais", afirmou. "Percebemos que o cliente não se importa muito com a tecnologia, desde que o serviço chegue até ele."
No WiMax, estações radiobase distribuem o sinal que dá acesso à internet num raio de 35 quilômetros, podendo chegar a 50 km. De acordo com Giusti, a implantação dessa tecnologia é mais barata e, em alguns locais, mais viável do ponto de vista técnico do que a construção de redes subterrâneas de cobre ou fibra óptica. Para captar a rede WiMax, o cliente precisa de um modem específico.

A expectativa da Telefônica é de lançar comercialmente o novo serviço na primeira metade de 2009. Mas, antes disso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) precisa homologar os equipamentos de rede e os modens utilizados nessa tecnologia.

(Talita Moreira | Valor Econômico, para o Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.